Corretor de Bitcoin irlandês reclama que bancos do país estão fechando contas relacionadas a cripto

O cofundador da corretora de Bitcoin (BTC) irlandesa Eircoin acusou a Federação Bancária e de Pagamentos da Irlanda (BPFI) de discriminar contas relacionadas à cripto, reporta o The Irish Times em 21 de junho. Dave Fleming culpou o BPFI por “tentar turvar o águas com insinuações de dinheiro sujo”.

A Eircoin, que é supostamente "a única corretora Bitcoin da Irlanda", foi fechada em abril. O cofundador da empresa, Dave Fleming, disse que eles foram "fechados devido a um sistema bancário negligente e defensivo". De acordo com Fleming e seu sócio Roisin Coogan, os bancos também recusaram serviços bancários para uma nova empresa de consultoria secundária.

Fleming afirmou que o fechamento da corretora “cheirava a caça regulatória”, o que é totalmente diferente da “atitude de braços abertos” da IDA Ireland. A IDA Ireland é uma agência patrocinada pelo Estado responsável por atrair investimentos estrangeiros para a Irlanda, que recentemente liderou uma iniciativa que promove o desenvolvimento e o investimento em blockchain no país.

De acordo com Fleming, as instituições bancárias e financeiras não devem ser envolvidas no processamento de atividades ilegais associadas ao comércio de cripto. Assim, eles não têm o direito de recusar empresas que lidem com criptomoedas.

"Se algum dos vendedores de Bitcoin na Irlanda estivesse envolvido em financiamento terrorista, tenho certeza de que não seria um banco discutindo conosco, seria a lei”.

Os bancos irlandeses, por sua vez, negaram a discriminação contra negócios relacionados à cripto. De acordo com o The Irish Times, o BPFI, que representa 70 instituições financeiras, afirmou que não estava ciente de uma política que permitisse aos bancos fechar as contas de empresas relacionadas à cripto.

Um dos principais bancos irlandeses, o AIB, também negou as alegações de que estava recusando serviços bancários a empresas relacionadas à cripto. O banco argumentou que "[não] discrimina em relação ao fornecimento de serviços bancários para empresas de criptomoedas nem [tem] sistematicamente deixado tais empresas".

No entanto, o banco adicionou que eles são obrigados a aderir à AML e requisitos regulamentares de conheça seu cliente (KYC) para abrir e operar contas bancárias. Segundo a AIB, algumas empresas não conseguiram cumprir esses passos.

Bancos em numerosos países fecharam suas portas para empresas e casas de câmbio cripto. Em maio, a maior casa de câmbio de cripto da Polônia, a BitBay, suspendeu suas atividades no país porque os bancos se recusaram a oferecer serviços. Em abril, o Banco da Reserva da Índia anunciou que deixará de atender a qualquer pessoa ou empresa que lide com criptomoedas. As casas de câmbio de criptomoeda na Finlândia e no Chile estão arriscadas de fechamento total, já que os bancos dos respectivos países não estão dispostos a fazer negócios.