Índia: Policiais teriam batido e extorquido 200 BTC de empresário, segundo fonte local

O departamento de investigações criminais (CID) em Gujarat, Índia, está investigando o alegado sequestro e extorsão de 200 Bitcoins (BTC) de um empresário pela polícia, segundo a agência local de notícias India Today relatou na segunda-feira, 9 de abril.

O CID entrou com um FIR (documento policial que precede o início de uma investigação policial) contra 10 policiais, incluindo um superintendente de polícia (SP) e um inspetor, pelo suposto crime.

O empresário e construtor indiano Sailesh Bhatt alegou, que em 9 de fevereiro, o oficial da Agência Central de Investigações (CBI), Sunil Nair, primeiro o espancou, com a ajuda de outros policiais, em uma sala no CBI até que ele pagou um resgate de cerca de $770.000, sem especificar em que tipo de moeda.

Bhatt descreve na denúncia como, depois que ele foi libertado, mais tarde ele foi sequestrado e levado para uma fazenda onde foi forçado a enviar 200 BTC (no valor de $2 milhões na época) para o ex-parceiro de negócios Kirit Paladiya:

“Eles me bateram dentro de uma sala e ameaçaram me matar em um encontro falso se eu não entregasse meus Bitcoins (...) Amreli [cidade de Gunjarat] SP Jagdish Patel e Anrel Patel, inspetor de Amreli, estavam envolvidos. Fui forçado a transferir Rs 13 crore (cerca de $2 milhões) em Bitcoins para a conta de Paladiya. ”

A agência de notícias local News18 escreveu que o BTC foi enviado da carteira de Paladiya, uma declaração apoiada por uma citação do Diretor Geral de Polícia (DGP) CID Ashish Bhatia que “não há provas ainda de Bitcoins valendo Rs 12 crore (cerca de $2 milhões) sendo transferidos da carteira de Shailesh Bhatt ou da carteira de seu sócio Kirit Padaliya. ”

Bhatt observa que Paladiya disse a ele que estava sob a observância da agência de direito econômico indiano, a Diretoria de Execução, por negociar com a BTC, após a qual ele foi convocado para uma reunião com Paladiya e depois supostamente seqüestrado em veículos da polícia. DGP Bhatia confirmou que os veículos do governo foram utilizados no seqüestro.

Bhatt também alega que Nalin Kotadiya, um ex-membro do partido político Gujarat Parivartan, estava envolvido em que ele o pressionou a pagar o resgate.

Bhatia se referiu à queixa da FIR como “um caso de seqüestro e extorsão”, acrescentando que eles “formaram um SIT que investigará todos os aspectos deste caso”. Três dos policiais supostamente envolvidos foram presos e o inspetor Patel fugiu.

Diferentes agências de notícias locais informaram o montante de BTC supostamente roubado de forma diferente, variando de $1,8 milhões a $2 milhões, provavelmente devido à volatilidade diária do preço do BTC.

Casos de seqüestros de detentores de criptomoedas por resgate tornaram-se mais comuns no ano passado, especialmente na antiga União Soviética. Em dezembro de 2017, um executivo de uma casa de câmbio digital na Ucrânia foi seqüestrado e forçado a pagar mais de $1 milhão em BTC como resgate; em janeiro deste ano, um blogueiro russo que se vangloriou on-line de sua riqueza em cripto foi espancado e roubado em cerca de $425,00 em moeda fiat; no início de fevereiro, um homem em Moscou foi atacado com uma faca e forçado a enviar mais de 1 milhão de dólares em criptomoedas para seus atacantes; e no final de fevereiro, um desenvolvedor de cripto, também em Moscou, foi espancado e roubado em mais de $3 milhões em BTC .