Como lidar com os 4 principais problemas das criptos e finalmente alcançar a adoção em massa: opinião

À medida que as criptomoedas baseadas em Blockchain como Bitcoin e Ether continuam a progredir em termos de desenvolvimento e popularidade, o sonho de adoção em massa começa a parecer mais viável.

No entanto, ainda há muito o que fazer e até mesmo o Bitcoin, a criptomoeda mais popular, valiosa e segura está longe de estar pronta para o consumidor.

Embora o Bitcoin não conseguisse lidar com a adoção do grande público, se acontecesse hoje, existem outros fatores-chave que devem ser abordados antes de sair da "sandbox do Blockchain".

Enquanto a tecnologia Blockchain percorreu um longo caminho, ainda há muito a ser feito. Os quatro problemas analisados ainda são grandes impedimentos e alguns continuam a ser problemas na própria economia tradicional.

O setor de desenvolvimento Blockchain é aquele em que a criatividade e o compromisso nunca deixam de surpreender e, assim como pensamos, o futuro continuará a brilhar para as criptos.

Escalabilidade

Esta é a primeira coisa que vem à mente e o obstáculo mais incapacitante. A capacidade de transferência de transações do Bitcoin foi testada nos últimos meses, e os resultados são bem conhecidos: transações demoradas, taxas elevadas e gente xingando muito no Twitter.

Sim, a escalabilidade é um problema por si só, mas a tensão criada pelas discussões em torno dele pode ser tão ruim, levando a vendas de pânico no mercado, mudanças de protocolo concorrentes e confusão geral para usuários participantes.

Felizmente, esse tem sido um foco principal na comunidade de desenvolvedores sem falta de idéias e BIP (Propostas de Melhoria do Bitcoin) sendo submetido a esse efeito.

Muitos desenvolvedores também voltaram suas vistas para Blockchains alternativos que foram projetados com a última tecnologia e a adoção em massa em mente.

Proteção ao cliente

No início deste mês, a comunidade de criptomoeda se alegrou quando a capitalização de mercado do Bitcoin ultrapassou a do PayPal. Isso, no entanto, também pode ser visto como um problema.

Embora o Bitcoin tenha ofuscado as ações do PayPal, sua base de usuários não está nem perto dos 210 milhões de usuários que possuem uma conta do PayPal.

Com isso em mente, é simples concluir que cripto ainda é um mercado altamente especulativo.

Então, o que está impedindo as pessoas de usar o Bitcoin e outras criptomoedas que oferecem tecnologia muito mais avançada do que a empregada pelo PayPal?

Três palavras: proteção ao consumidor. Simplesmente não existe tal coisa nas criptos.

Se você quiser comprar algo com o Bitcoin, você deve confiar no comerciante completamente ou você deve obter um agente de custódia adicional que possa mediar a transação, tornando todo o processo complicado e caro.

Nuno Correia, CEO da Utrust, diz que sua equipe está construindo uma solução simples e efetiva em uma plataforma que incluirá seu próprio sistema de proteção ao consumidor, permitindo que os usuários façam compras on-line com a mesma facilidade que eles fazem ao usar o eBay ou o PayPal.

A Cointelegraph perguntou a Correia como a plataforma pode ajudar as criptomoedas a serem adotadas em massa.

Ele afirma:

"A UTRUST trará confiança aos adeptos de criptomoedas. Eles não sentirão mais que estão a correr riscos ao comprar on-line!"

Volatilidade

O Bitcoin não é estranho à volatilidade, o primo bipolar da inflação. Embora a volatilidade seja onde os comerciantes ganham a vida, não é uma propriedade desejada em nenhuma moeda.

Este problema relaciona-se bem com a questão da proteção do consumidor que acabamos de analisar.

Comerciantes e clientes são os dois componentes básicos de qualquer transação e, embora existam muitos Bitcoiners prontos para gastar seu BTC onde quer que possam, os comerciantes podem estar relutantes em lidar com o risco adicional.

Enquanto o sistema empregado na plataforma Utrust permite aos comerciantes lidar apenas com o fiduciário, esta não é uma solução completa para o problema da volatilidade.

No entanto, projetos como Bitshares, Waves e Tether estão alavancando a tecnologia Blockchain para nos fornecer tokens fiduciários baseados em Blockchain como BitUSD, WUSD e USDT, respectivamente.

Segurança

Este não é um problema específico de criptomoedas por si só, mas ainda é algo que deve ser abordado urgentemente se as criptomoedas continuarem em sua subida aos palcos com grande público.

Nós nem estamos falando sobre o número ridículo de scams, esquemas e truques projetados para fazer suas moedas on-line. Estamos falando das casas de câmbio.

As casas de câmbio tornaram-se uma porta de entrada para o mundo das criptomoedas, proporcionando um serviço conveniente e acessível.

No entanto, essas mesmas casas de câmbio tornaram-se pontos de falha centralizados para uma economia de outra forma descentralizada.

Do infame hack da Mt. Gox aos problemas mais recentes encontrados na Bitfinex e BTC-e, esse problema não parece ter melhorado com o tempo.

A solução reside nas casas de câmbio descentralizadas (DEX). Projetos de código aberto como Bitsquare, Waves DEX e o próximo BarterDEX da SuperNet colocam o controle de volta na mão do usuário, permitindo que eles comprem e vendam criptomoedas sem a necessidade de confiar em uma entidade terceirizada, promovendo segurança, privacidade e eficiência.

Audo, Líder de Comunidade da SuperNet conta à Cointelegraph:

"Com uma casa de câmbio descentralizada como a BarterDEX, o comércio pode ser feito através de uma carteira em um ambiente descentralizado. Então, um usuário só precisa baixar um aplicativo que funciona tanto como uma carteira de moedas múltiplas quanto câmbio de moedas. Isso é tudo o que ele precisa e, no final, será muito fácil armazenar, comprar e vender múltiplas criptomoedas, permitindo que outras funcionalidades sejam incorporadas ao aplicativo".


Siga-nos no Facebook