África do Sul no topo das pesquisas mundiais sobre Bitcoin em pico de adoção

A África do Sul está no topo do mundo em pesquisas no Google sobre "Bitcoin", no último mês, de acordo com dados do Google Trends.

O jornalista e comentarista Kyle Torpey enviou as descobertas para o Twitter, o que mostrou que o país estaria 9% à frente do número dois, a Eslovênia.

Áustria, Cingapura e Gana ocuparam o terceiro, quarto e quinto lugar, respectivamente.

As razões para o domínio da África do Sul não foram imediatamente claras, com figuras bem conhecidas da indústria de criptomoedas e além de fornecer explicações diferentes.

O principal deles foi a moeda declinante Rand, a popularidade da 'Coinbase sul-africana' Luno e uma população que procura investimentos seguros para evitar as consequências da incerteza política.

Stephen Young diz: Estou na África do Sul.
1. A Luno é incrível.
2. O ZAR em declínio constante por anos.
3. Corrupção e incerteza política = pessoas à procura de uma saída

O empresário Tuur Demeester adicionou comentários sobre a participação do Bitcoin na África do Sul pelo executivo da Luno, Werner van Rooyen, para a revista local Tech Central.

"Observamos um aumento no interesse - downloads de aplicativos para dispositivos móveis, novas inscrições de clientes e negociação - correlacionados com alguns eventos externos", explicou.

"O primeiro é a volatilidade - quando o preço sobe ou desce, mais pessoas estão comprando e vendendo. Dito isto, quando o preço se move, as pessoas tendem a revisitar a idéia de comprar uma pequena quantidade de Bitcoin, algo que eles podem ter considerado em algum momento no passado. Nós também vemos mais cobertura da imprensa durante esses horários".

A Cointelegraph informou no mês passado sobre experimentos regulatório em andamento do banco central da África do Sul, à medida que novos novos influxos de novos usuários para trocas refletem padrões registrados em todo o mundo.

"Quando há um declínio, digamos a taxa de câmbio para o Rand, você notará frequentemente uma tendência de baixa em outras indústrias, como o mercado de ações ou o mercado imobiliário", disse van Rooyen à época.

"O Bitcoin foi entendido como um dos ativos com a menor correlação com outras classes de ativos".