Quatro exchanges enfrentam problemas depois de endurecimento da regulação na Coréia do Sul

Quatro exchanges sul-coreanas estariam enfrentando problemas para renovar contas bancárias depois do endurecimento da regulação do país.

A agência local dedicada à indústria TheBchain noticiou em 29 de julho que as novas diretrizes da Força-Tarefa de Ação Financeira (FATF) sobre as regras monetárias virtuais têm influencia no endurecimento da regulamentação.

Segundo o texto, as exchanges Bithumb, Upbit, Coinone e Korbit agora têm de atender à conformidade de normas mais rígidas para conseguir renovar suas parcerias bancárias, depois das diretrizes da FATF serem publicadas em junho.

Como o Cointelegraph noticiou na época, a nova orientação requer que os provedores de serviços de ativos cripto cumpram a Lei de Combate à Lavagem de Dinheiro e combatam o financiamento de atividades relacionadas ao terrorismo, da mesma forma que as instituições financeiras tradicionais.

Embora a orientação da FATF não seja uma exigência ou seja juridicamente vinculativa, ela pode ser uma ferramenta eficaz, pois países que optarem por não adotar os novos padrões podem ser excluídos da rede financeira global.

De acordo com o TheBchain - depois das diretrizes terem sido divulgadas - os bancos que prestam serviços às exchange devem ser legalmente responsabilizados em casos de lavagem de dinheiro. Um funcionário de um importante site de e-commerce da Coréia do sul comentou sobre o tema:

"Para atender a esse padrão, exchanges pequenas e médias, que não possuem os recursos necessários, provavelmente desaparecerão do mercado."

Como o Cointelegraph publicou este mês, a nova orientação da FATF recebeu críticas de defensores da privacidade no setor. Um aspecto que foi especialmente criticado foi a chamada “regra de viagem”, que exige que os provedores de serviços de ativos virtuais coletem e transfiram informações dos clientes durante as transações.