Ex-funcionário da Kraken processa exchange por adotar 'táticas comerciais antiéticas e ilegais'

Um ex-funcionário da Kraken, empresa de câmbio de criptomoedas dos Estados Unidos, abriu um processo judicial contra a empresa por quebra de contrato e violação de sanções, entre outras questões.

De acordo com um documento apresentado em 26 de novembro, Nathan Peter Runyon - um veterano da marinha e ex-funcionário da Kraken, onde atuou ao lado do analista financeiro do diretor financeiro da exchange, Kaiser Ng - levou o caso ao tribunal acusando a empresa e Ng de uma série de violações e falsificações legais.

Série de acusações

Especificamente, Runyon acusou a Kraken de táticas comerciais antiéticas e ilegais, de fraudar os funcionários sobre suas opções de ações, violar sanções, além de o ter discriminado como veterano militar deficiente e usar falsos endereços de oficiais da empresa.

Durante seu trabalho na Kraken, a partir de agosto de 2018, Runyon teria se deparado com várias táticas comerciais questionáveis, em que a empresa teria obtido receita de países do Departamento de Tesouro dos EUA para o Controle de Ativos Estrangeiros do Departamento do Tesouro dos EUA.

Runyon afirmou que os saldos bancários da Kraken estavam desfalcados depósitos de clientes em milhões de dólares. Kraken supostamente não conduz avaliações de desempenho, bem como as opções de ações alteradas concedem cronogramas de aquisição de direitos sem alterações.

Além disso, Ng supostamente perguntou a Runyon se ele poderia usar o endereço residencial de Runyon para pedidos endereçados a bancos e órgãos reguladores. Runyon concordou, no entanto, a empresa não pagou aluguel pelo uso de seu apartamento.

Runyon teria notificado Ng sobre as irregularidades, mas Ng supostamente ignorou todas e excluiu Runyon do projeto. O processo judicial apresenta várias outras alegações de Runyon contra Kraken.

A exchange mais 'limpa' do mercado?

De acordo com um relatório de vigilância de mercado do Blockchain Transparency Institute, lançado no final de setembro, Kraken está entre as exchanges mais 'limpas' de criptomoedas do setor.

No entanto, no final do segundo trimestre de 2019, um relatório da Bloomberg apontou irregularidades envolvendo algumas negociações de Tether (USDT) na exchange Kraken. John Griffin, professor de finanças da Universidade do Texas, disse à Bloomberg que as irregularidades observadas "sugeriam lavagem de dinheiro".

Essa técnica é algumas vezes empregada por traders, que atuam como vendedor e comprador em uma determinada transação, para dar uma falsa impressão de oferta e demanda. Este ato em si é ilegal. A Kraken negou o conteúdo do relatório em uma postagem no blog. "Não está claro que dano poderia advir da lavagem de um ativo atrelado a ele", escreveu a Kraken.