Fim do papel na burocracia? Novas tecnologias trabalham na digitalização de procedimentos estatais e privados

As tecnologias digitais como a blockchain podem levar à extinção do uso do papel nos procedimentos burocráticos estatais e privados, segundo uma matéria do portal NotiSul desta segunda-feira, 18 de novembro.

Segundo o texto, "desde a invenção da escrita" o ser humano tem de lidar com a coleta, a organização e o processamento de informações, adotando ao longo do tempo outras tecnologias para aprimorar a gestão destas informações.

Hoje, com conteúdo "cada vez mais eletrônico e digital", um dos grandes desafios seria a identificação, a certificação do que ocorre na rede e na vida real. A identificação pessoal tem de ser acompanhada de instrumentos de autenticidade, sendo este um dos desafios da era digital.

Em transações bancárias, diz o texto, há menos de 10 anos ainda era necessária a impressão de comprovantes físicos em papel e também os famosos cheques, que se popularizaram a partir da década de 1980.

Hoje, com a biometria, alguns desafios se impõem, como a necessidade da coleta de impressões digitais e de lidar com casos em que as impressões não são devidamente processadas, seja por casos raros de "quase duplicidade" ou por digitais "apagadas", ou de difícil reconhecimento.

Outra opção, o reconhecimento facial, não tem efetividade comprovada. Para além destes, há as assinaturas digitais, que são formadas por "um cálculo matemático complexo que não pode ser alterado. O número de assinaturas associadas a certificados digitais no Brasil é de 8 milhões, número baixíssimo em comparação com a população ativa de R$ 200 milhões.

Então, a inovação da blockchain pode mudar este tipo de desafio. Segundo a matéria, "essa tecnologia [...] garante que as informações contidas no sistema não possam ser alteradas - assim a estrutura de acreditação se torna muito forte".

Finalmente, o texto diz que a digitalização dos procedimentos burocráticos é "um caminho sem volta" e o Brasil "é parte da vanguarda".

Como noticiou o Cointelegraph Brasil, os desafios de certificação digital podem afetar até mesmo as intenções do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, de coletar assinaturas em um app para a criação de um novo partido. O TSE ainda não reconhece as assinaturas em blockchain.