Ex-presidente do PBoC diz que China deve tomar precauções contra a tendência do Libra

O ex-presidente do Banco Popular da China (PBoC) diz que "a China deve tomar precauções" contra a tendência representada pela criptomoeda Libra, do Facebook.

A agência de notícias de cripto chinesa baseada no Twitter CnLedger relatou os comentários de 9 de julho de Xiaochuan Zhou.

Zhou atuou como presidente do PBoC entre 2013 e 2018, um período em que Pequim empreendeu seu notório ataque de regulações anticripto - incluindo a histórica criminalização generalizada das ofertas iniciais de moeda (ICOs) e repressão às exchange.

O CnLedger relata que Zhou caracterizou o Libra como representante da tendência global em criptomoedas - destacando suas propriedades e ambições semelhantes as de uma stablecoin para enfrentar o ponto problemático das remessas transnacionais nas economias emergentes.

Igualmente representativo, de acordo com Zhou, é o fato de que o token ainda enfrentará desafios como conformidade de lei antilavagem de dinheiro e custódia de fundos.

Contextualizando essa tendência de forma mais ampla, Zhou supostamente afirmou que "as pessoas que valorizam o Libra são inseparáveis ​​da tendência global de dolarização" e que o imperativo para a China é manter um status monetário forte, tomar precauções e buscar uma pesquisa política rigorosa.

O ex-presidente previu ainda, no informe do CnLedger, que:

“No futuro, poderá emergir uma moeda mais internacionalizada e globalizada, uma moeda tão forte que fará com que as principais moedas estabeleçam relações de troca com ela. Pode não ser necessariamente o Libra, mas haverá mais instituições e pessoas tentando criá-la”.

Como publicado anteriormente, a percepção de Pequim de que os princípios fundamentais da revolução da cripto - a desintermediação e a circulação de valor sem atrito - prejudicariam seus rígidos controles de capital e a estratégia econômica se traduziu em uma série de tentativas de isolar tanto o sistema financeiro doméstico quanto os investidores individuais do espaço cripto global.

O atual vice-presidente de PBoC, Pan Gongsheng, recentemente caracterizou as Ofertas de Security Token (STOs) como uma atividade de financiamento “ilegal” similar às ICOs, alegando que ambas continuam desenfreadas na China continental - apesar da posição cada vez mais adversa das autoridades.

Enquanto isso, o Congresso dos Estados Unidos exigiu audiências com o Facebook sobre o lançamento do Libra e solicitou que o Facebook e seus parceiros imponham uma moratória oficial sobre o desenvolvimento do Libra até que suas preocupações sejam examinadas e tratadas.