Líder do Banco Central da China define STOs como "atividade financeira ilegal na China"

O Banco Popular da China (PBoC), banco central do país, destacou a ilegalidade das ofertas de tokens de valores mobiliários (STOs) no país, informou o site de notícias locais South China Morning Post (SCMP) em 9 de dezembro.

Um vice-líder do banco central da China, Pan Gongsheng, teria dito em uma cúpula em Pequim que as atividades de financiamento "ilegal" através de STOs e ICOs (Ofertas Iniciais de Moedas) ainda estavam desenfreadas no continente apesar de uma limpeza nacional do mercado de criptomoedas durar. ano."

Gongsheng também disse que, se o governo não tivesse entrado em cena, o caótico mercado de cripto poderia ter prejudicado a estabilidade financeira geral na China.

O funcionário do banco central apontou que “o negócio dd STO que surgiu recentemente ainda é essencialmente uma atividade financeira ilegal na China”. Gongsheng também reiterou a posição de que as criptomoedas estão associadas ao crime:

"O dinheiro virtual tornou-se cúmplice de todos os tipos de atividades ilegais e criminosas".

De acordo com o artigo, Gongsheng observou que “a maioria das operações de financiamento conduzidas através de ICOs na China eram suspeitas de serem captações ilegais de recursos, esquemas de vendas de pirâmide e outras fraudes financeiras”.

O artigo também menciona que o chefe do Departamento de Trabalho Financeiro, Huo Xuewen, alertou contra STOs cerca de uma semana atrás. Ele disse:

“Quero alertar aqueles que estão promovendo a captação de recursos através de STO em Pequim. Não o façam em Pequim. Você será expulso se fizer isso.

Por outro lado, a adoção do blockchain - a tecnologia por trás da maioria das criptomoedas - tem sido relativamente adotada na China. Como a Cointelegraph informou recentemente, um tribunal chinês de Internet começou a usar blockchain para proteger a propriedade intelectual de escritores online.

A base legal desse desenvolvimento pode ser considerada a decisão da Suprema Corte chinesa de setembro, que estabeleceu que blockchain pode autenticar legalmente as evidências.