Rival baseado em Ethereum do jogo Hearthstone bate recorde de volume após escândalo da Blizzard

Gods Unchained, jogo de cartas colecionáveis ​​baseado em Ethereum (ETH), superou por muito o volume do CryptoKitties após um escândalo de censura envolvendo a desenvolvedora de jogos Blizzard.

Como observou a plataforma de pesquisa de blockchain Coin Metrics em 12 de novembro, o mês passado testemunhou uma explosão de atividades no jogo, com o interesse superando o de CryptoKitties em seu auge em 2017.

Dados: volume de Gods Unchained é cinco vezes maior

Em termos de transferências diárias de seus tokens não fungíveis (NFTs), o Gods Unchained registrava quase 500.000 transferências desse tipo por dia no final da semana passada.

Por outro lado, mesmo no auge da loucura pelo CryptoKitties no final de 2017, as transferências para lá totalizaram menos de 100.000.

Os dados ressaltam a reação da Blizzard, desenvolvedora de títulos como World of Warcraft, que no mês passado se envolveu em um desastre de relações públicas envolvendo a China.

Como o Cointelegraph relatou, a empresa rescindiu o prêmio em dinheiro de seu principal jogador do jogo Hearthstone, Chung Ng Wai (também conhecido como Blitzchung), após este último manifestar apoio aos movimentos de protestos de Hong Kong.

Gods Unchained capitalizou em cima do evento, oferecendo ganhos de substituição e outras vantagens a Chung em um "tuíte" que já recebeu mais de 33.000 compartilhamentos.

Preço de controle

Como observa a Coin Metrics, como Hearthstone, os jogadores de CryptoKitties tinham um controle consideravelmente menor de seus ativos devido à centralização.

“...Diferentemente de Hearthstone, Gods Unchained é construído na blockchain da Ethereum e cada uma de suas cartas é representada por um token ERC-721. Isso significa que os usuários realmente possuem seus cartões e podem negociá-los livremente no mercado aberto, da mesma forma que com qualquer outra criptomoeda”, resume.

Ironicamente, as próprias autoridades chinesas posteriormente divulgaram publicamente o endosso à tecnologia blockchain.

No final do mês passado foram publicadas várias manchetes sobre o assunto, entre as quais conselhos para não falar mal da blockchain ou confundir o suporte a uma mudança na política em relação às criptomoedas.