Empresa brasileira cria ponto eletrônico que mistura inteligência artificial e blockchain

A Totvs, empresa brasileira de desenvolvimento de software de gestão, que já havia desenvolvido a Carol, plataforma de dados e inteligência artificial, adicionou ao software a possibilidade de bater o ponto dos seus funcionários através de uma foto. Além disso, para que não haja fraudes, foi implementado um protocolo blockchain para o Carol Clock-In, nome do novo sistema.

Desenvolvida na Totvs Lab, centro de desenvolvimento e open innovation da companhia na Carolina do Norte (EUA), e em São Paulo, no Brasil, a Carol já podia extrair dados do ERP de seu contratante para criar predições para tomada de decisão, além de ter visão computacional, capacidade de conversação e alguns outros feitos.

Agora, no entanto, ela passou a ser também um ponto eletrônico. Através de um app em smartphone, a tecnologia escaneia a face dos funcionários para identificá-los. Isso, sem a necessidade de conexão à internet já que, uma vez que o celular estiver conectado, a marcação do ponto é sincronizada.

“A Inteligência Artificial e machine learning da Carol permitem que o app funcione cada vez melhor, já que, a cada reconhecimento feito, mais dados do rosto de cada colaborador são coletados, tornando o app mais rápido e eficaz”, explicou Vincent Goetten, diretor do Totvs Labs. “A solução foi desenvolvida a partir de uma necessidade que, aparentemente, é algo bastante simples: fazer com que funcionários registrem o ponto eletrônico em áreas remotas, isso é muito comum com profissionais de vendas ou que trabalham no campo, por exemplo”.

Para garantir que o usuário não faça upload de uma imagem já salva na galeria, por exemplo, a solução tem um sistema antifraude à base de blockchain.

“Os clientes podem optar por ativar esta funcionalidade adicional que garante a imutabilidade dos dados e facilita a rastreabilidade independente de sistema. O protocolo escolhido para isso foi o da blockchain, por ser o mais seguro e de público acesso”, explicou o diretor, sem informar qual foi o protocolo blockchain utilizado.

A Carol Clock-In funciona totalmente em nuvem e o registro de ponto é enviado por email ou SMS, em um arquivo com certificação digital, protegido contra modificações. Também há a opção de quiosque, onde, em vez de utilizar a aplicação em seu dispositivo pessoal, o usuário baterá o ponto num dispositivo fixo na empresa através de um QR Code.

Continue lendo: