Chega de tomada: depois do computador, cientistas anunciam bateria quântica que nunca perde carga

As aplicações baseadas em partículas quânticas estão se desenvolvendo para além dos famosos computadores quânticos que 'ameaçam' acabar com o Bitcoin e com as criptomoedas. Segundo um novo estudo publicado recentemente, agora, cientistas buscam desenvolver bateria quânticas que teriam 'carga sem fim'.

O desenvolvimento deste tipo de solução ainda está na fase de estudos, mas, segundo os pesquisadores da Universidade de Alberta (Canadá), a demonstração teórica é possível e seu desenvolvimento 'comercial' pode ser viável.

“As baterias com as quais estamos mais familiarizados, como a bateria de íons de lítio que alimenta seu smartphone, baseiam-se em princípios eletroquímicos clássicos, enquanto as baterias quânticas dependem apenas da mecânica quântica usando energia excitônica" disse o principal autor do estudo, o químico Gabriel Hanna.

Neste tipo de energia, um elétron absorve fótons de luz carregados e se tudo isso for 'armazenado' em um 'estado escuro' permite com que eles não troquem energia com o ambiente, desta forma não há perdas de energia e a bateria 'nunca perderia carga'.

“A chave é preparar essa rede quântica no que é chamado de estado escuro. Enquanto no estado escuro, a rede não pode trocar energia com seu ambiente. Em essência, o sistema se torna imune a todas as influências ambientais. Isso significa que a bateria é altamente robusta a perdas de energia”, destacou Hanna informando que agora o próximo passo é passar da teoria à prática.

No caso da computação quântica, como noticiou o Cointelegraph, recentemente pesquisadores americanos afirmam ter descoberto um novo tipo de supercondutor, chamado de β-B2Pd que, por estar naturalmente em estado quântico, pode revolucionar o desenvolvimento do setor.

Atentos aos progressos da tecnologia nesta área, desenvolvedores do Bitcoin e do Ethereum já buscam ativar mecanismos para impedir que a computação quântica venha a prejudicar o desenvolvimento dos criptoativos.

Para Pieter Wuille, dev do BTC, pouco mais de 64 mil bitcoin estariam vulneráveis a um ataque quântico, ou seja 37% do total de BTC em circulação e para impedir, isso, segundo ele, o núcleo do Bitcoin Core já vem estudando mudanças na assinatura do Bitcoin para implementar um esquema de assinatura de segurança PQC.

O mesmo ocorre no caso do Ethereum que segundo Justin Ðrake já teria investido US$ 5 milhões em pesquisas para 'adaptar' a criptomoeda para um futuro quântico.

Entretanto, como noticiou o Cointelegraph, o cofundador da Ethereum, Vitalik Buterin, não está impressionado com a ameaça da computação quântica. Segundo ele, tudo não passa de especulação e, por enquanto, os desenvolvimentos no setor só provam que isso 'é possível' mas ainda não mostraram na prática se realmente é.

"Minha impressão de uma frase sobre a recente supremacia quântica até agora é que é para a computação quântica real, o que as bombas de hidrogênio são para a fusão nuclear. Prova de que um fenômeno e a capacidade de extrair energia dele existem, mas ainda longe de serem usados para coisas úteis", disse.

Confira mais notícias