CVM seleciona trabalhos sobre Bitcoin, blockchain e criptomoedas que podem ajudar regulador a rever regras para o setor

A Comissão de Valores Mobiliários do Brasil, em parceria com o Insper, selecionou trabalhos com abordagem sobre Bitcoin e outras criptomoedas, segundo comunicado publicado no portal oficial do órgão regulador.

De acordo com o comunicado foram selecionados os artigos sobre regulação dos mercados de capitais e financeiro como parte de uma iniciativa que pode levar a uma reflexão interna sobre as normas da CVM.

“A CVM parabeniza a todos os participantes desse chamamento pela qualidade dos trabalhos submetidos e informa que as sugestões e análises contidas nos estudos serão objeto de reflexão interna, podendo vir a convidar seus autores para apresentá-los na sede da Autarquia”.

Em setembro, os trabalhos serão apresentados, em evento que deve debater mais profundamente os os temas selecionados.

No total, 40 trabalhos a respeito do mercado de capitais e sistema financeiro foram avaliados pela Comissão Científica formada por Bruno Luna (CVM), Bruno Lund (FGC), Juliano Pinheiro (UFMG), Klenio Barbosa (Insper), Rafael Schiozer (FGV) e Rodrigo Bueno (USP).

Os trabalhos selecionados foram:
- Robo-advisors e os deveres fiduciários dos assessores de valores mobiliários no Brasil (Ciro Silva Martins)
- The Microstructure of the Brazilian Market for Corporate Bonds (Antonio Gledson de Carvalho e Felipe Tumenas Marques)
- Blockchain e o Mercado Financeiro e de Capitais: Riscos, Regulação E Sandboxing (Marcus Vinicius Cardoso Barbosa)
- Desafios regulatórios em torno da emissão e negociação de criptoativos e o sandbox como uma possível solução (José Luiz Homem de Mello, Tatiana Mello Guazzelli, Alessandra Carolina Rossi Martins, Giovana Treiger Grupenmacher)

O evento deve ocorrer na sede do Insper, em São Paulo, no dia 11/9, a partir de 8h30, e contará com abertura do Presidente da CVM, Marcelo Barbosa, mesas de debate e apresentação dos artigos selecionados.

Como reportou o Cointelegraph, o presidente da Unick Forex, Leidimar Lopes, junto com outros diretores da empresa, afirmou que irá parcelar os saques atrasados na plataforma e que não vai pagar os rendimentos, segundo um vídeo, publicado em 16 de agosto.

A suposta pirâmide financeira que afirma investir em Bitcoin e criptomoedas por meio do mercado Forex, que é proibído no Brasil, chegou até a dizer que lançaria um banco e uma criptomoedaprópria a “CQDX”, agora afirma que só vai pagar o investimento que cada usuário fez e nenhum rendimento.

A Unick já têm diversos alertas emitidos pela CVM que também reforçou que acionou o Ministério Público sobre a empresa.