CVM abre processo para investigar ações da Abranetwork, a associação brasileira de marketing multinível

A Comissão de Valores Mobiliários do Brasil (CVM), abriu um processo administrativo para investigar as ações da Abranetwork, suposta 'associação' de empresas de marketing multinível, segundo um comunicado compartilhado com o Cointelegraph em 24 de outubro.

"Foi aberto o Processo Administrativo SEI nº 19957.009861/2019-09 para o exame da questão. O processo será analisado pela Gerência de Orientação aos Investidores (GOI-2) desta CVM. A CVM adotará as medidas cabíveis, no âmbito de suas atribuições legais, conforme definidas no artigo 8º da Lei 6385/76", segundo informou a autarquia.

O processo foi aberto pela CVM por conta de uma denúncia, de um usuário, que teria realizado investimentos em Bitcoin, em uma empresa "com selo Abranetwork" e que, segundo a associação, estaria "fora da lista de supostas pirâmides financeiras".

A Abranetwork se autoproclama uma Associação de Empresas de Marketing Multinível e, entre suas ações, divulga "blacklists" de supostas pirâmides financeiras e também listas de empresas que teriam o "selo Abranetwork".

Além disso, segundo a Associação as empresas que integram a Abranetwork seriam companhias suposta 'íntegras'.

"A empresa associada a Abranetwork, está de acordo com os princípios éticos do Marketing Multinível Brasileiro e alinhados aos interesses profissionais do Empreendedor (...) A Abranetwork atua no combate a pirâmides, trabalha pela regulamentação do setor, pela profissionalização do Empreendedor e contra a má gestão, empresas que sonegam, que não possuem legitimidade, que omitem informações, que não agem com lisura ou transparência. As empresas associadas, aceitaram as condições de transparência, enviaram documentos necessários, estão abertas a qualquer momento a Compliance e Auditoria", diz o site oficial da Associação.

Apesar disso, a Abranetwork lista como empresas associadas diversas organizações suspeitas de pirâmides financeiras e praticamente nenhum delas tem autorização da CVM para atuar no mercado de capitais.

Entre as associadas da Abranetwork estão: 18k Ronaldinho; DD Corporation; i9Life; i-Trades; Maravilhas da Terra; You XWallet entre outras.

"A simples adesão a Abranetwork, é um indicativo de que a empresa deseja andar na linha e que está conectada as melhores práticas gerenciais de marketing multinível”, declarou recentemente Mauricio Bobba, Vice Presidente Executivo.

Entretanto empresas que integram a Associação, como a 18k foram inclusive convocadas pela Câmara dos Deputados para explicar atividades, suspeita de atuar como pirâmide financeira. No caso da YouXWallet e DD Corporation, por exemplo, a CVM já afirmou que as empresas não têm autorização da autarquia para atuar no mercado de capitais. A DD também responde a investigações no Ministério Público.

Ainda segundo a denúncia, como a Abranetwork de certa forma "legitima" certos investimentos, acaba supostamente induzindo o investidor ao erro, como aconteceu com o usuário que procurou a CVM.

A autarquia por sua vez disse que não tem prazo determinado para publicar seu parecer sobre a Abranetwork.

"A Abranetwork está lançando o selo Multinível 100%, que será concedido a empresas de MMN legítimas, que provarem não só a sustentabilidade de seus planos, mas também a idoneidade, competência, gestão administrativa-financeira, situação fiscal, confiabilidade estrutura de fluxo de caixa, através de auditoria mensal e Compliance", diz a Abranetwork em comunicado recente.

Como noticiou o Cointelegraph, a YouXWallet, uma das empresas 'certificadas' pela Abranetwork, afirma investir o dinheiro dos usuários em operações com Bitcoin, no mercado Forex, que é proibido no Brasil. A CVM ressalta que não há qualquer empresa autorizada a operar forex no mercado brasileiro.

Por isso, a Comissão de Valores Mobiliários do Brasil (CVM) abriu um processo administrativo para investigar as atividades da empresa e de seu líder, que prometem retornos de até 200% sobre o investimento.