Criptomoeda, revolucionada: novo regulamento francês de ICO à caminho

Hoje, a Assemblée Nationale (a câmara do parlamento francês) está iniciando um debate sobre um projeto legal apresentado em junho passado pelo Ministro da Economia e Finanças, Bruno Le Maire, que contém algumas mudanças relevantes para o marco regulatório francês em relação aos ativos cripto e ICOs, juntamente com muitas propostas destinadas a sustentar o desenvolvimento de “empresas liberais que são melhor financiadas, mais inovadoras e mais justas”.

Esta inovação, estimulada pelo Plano de Ação para a Transformação das Empresas (PACTE - Plano de Ação para o Crescimento e Transformação dos Negócios) seria um passo importante para aproximar a França da revolução digital em torno da blockchain e superar a lacuna que atualmente separa a França do pequeno clube de países que criaram um ambiente favorável ao investimento na indústria de fintech e blockchain.

França: uma nova casa para ICOs (talvez)

De fato, a França nunca foi pioneira neste campo: por exemplo, os projetos financiados por ICOs promovidos por empresas sediadas na França atualmente representam apenas uma fração dos que escolheram estabelecer suas sedes na Suíça ou em países minúsculos como Singapura ou Gibraltar (este último é um território do Reino Unido).

 

O artigo 26 do novo regime legal, se aprovado pelo parlamento, modificará o Código Financeiro e Monetário, introduzindo uma definição para entidades como tokens (descritos na lei como “itens imateriais, representando na forma digital um ou mais direitos, que poderiam ser emitido, compilado, mantido e transferido através de um instrumento digital compartilhado, permitindo identificar - direta ou indiretamente - o seu proprietário”) e a ICO (“oferta pública de assinatura de tokens, sob qualquer forma”).

Além disso, o código modificado oferecerá aos émetteurs de jetons (literalmente, as entidades emissoras dos tokens - é muito provável que a administração francesa prefira este rótulo em vez das ICOs) a possibilidade de exigir uma espécie de 'visto' emitido pela Autorité des Marchés Financiers (AMF, Autoridade do Mercado Financeiro, o regulador francês), certificando um conjunto de requisitos relativos à transparência e diligência em relação aos investidores.

Para obter a “licença” da AMF - que é, a propósito, um processo voluntário, não uma exigência legal - uma empresa propondo uma ICO deve produzir um documento promocional (também conhecido como white paper) apresentando conteúdos “exatos, claros, não enganosos, que permitem compreender os riscos envolvidos na oferta. ”Além de verificar a comunicação pré-venda, a AMF monitoraria os meios que devem ser implementados para garantir a segurança e a transparência do evento emissor de tokens e monitoraria informações sobre os resultados da ICO e a criação de um mercado secundário para os tokens. A imprensa francesa já divulgou alguns rumores sobre uma emenda proposta por três deputados para estender o sistema de certificação a todas as atividades comerciais que lidam com ativos cripto digitais (“actifs numériques”) - ou seja, intercâmbios, consultorias e intermediários.

Mesmo com algumas falhas (veja abaixo), o novo esquema criaria um marco para a França e talvez até para a Europa. No entanto, esta revolução não veio da noite para o dia.

A nova Cripto-France de Macron

Uma imagem de Emmanuel Macron segurando uma carteira rígida Bitcoin foi lançada no Reddit em maio de 2017, pouco antes de sua eleição como presidente. Provavelmente, isso não é prova de que Macron possa ser considerado um entusiasta da criptomoeda - como alguns podem tentar ler. No entanto, é verdade que o político de 39 anos, ex-executivo de telecomunicações, apoiou a inovação em TI como uma ferramenta para reformar a administração francesa e impulsionar a economia nacional desde seus primeiros dias no Palácio do Eliseu.

De fato, o esquema proposto no PACTE não é uma medida isolada. Pelo contrário, é um dos primeiros resultados tangíveis de um debate, que envolveu o governo recentemente nomeado por quase todo esse ano. Pode ser significativo notar que alguns dos primeiros movimentos cautelosos em direção a uma “revolução digital francesa” coincidiram com a problemática recuperação do mercado de criptomoedas no final de 2017 e no início de 2018.

De outubro a dezembro de 2017, por exemplo, a AMF promoveu um programa de pesquisa (UNICORN) baseado em uma consulta pública sobre ICOs, que envolveu 82 entrevistados - incluindo empresários digitais, acadêmicos, investidores institucionais, profissionais da área financeira e representantes de bancos. O objetivo era alcançar uma melhor definição de ICOs e tokens (como o fornecido pela suíça FINMA entre abril de 2017 e fevereiro de 2018), a fim de emitir diretrizes sobre ICOs sem alterar as regulamentações existentes e, enquanto isso, explorar potenciais futuras ações regulatórias.

Além dos resultados formais, é relevante notar a atitude positiva que a autoridade monetária demonstrou em relação à indústria.

Mesmo antes do lançamento do relatório da UNICORN, no entanto, o Código Financeiro e Monetário abrangia alguns novos artigos, abrindo caminho para uma primeira aceitação do blockchain na legislação francesa. Com um decreto emitido em 8 de dezembro de 2017, o governo francês introduziu algumas mudanças que reconheceram a transferência de valores financeiros por meio de “um instrumento de registro digital compartilhado” no mesmo nível do registro tradicional em conta-por-conta.

Um novo think tank patrocinado pelo governo foi promovido pelo Le Marie em 15 de janeiro de 2018, com a tarefa de propor “orientações para a evolução da regulamentação atual”, com o objetivo principal de “controlar melhor o desenvolvimento de criptomoedas e prevenir o uso para fins de evasão fiscal, lavagem de dinheiro ou financiamento de atividades criminosas ou terroristas. ”Nomeado para liderar o grupo como “Monsieur Bitcoin” - como a imprensa francesa o rotulou - foi Jean-Pierre Landau, diretor sênior em muitos órgãos financeiros internacionais, ex-vice-governador do Banque de France e professor afiliado da Sciences Po, as mesmas ciências políticas da Grande École que Le Marie - e a maioria dos altos escalões do governo francês - compareceram.

Apesar de alguma preocupação com a orientação do governo francês que surgiu como consequência da nomeação de Landau - que também é conhecido por algumas posições críticas contra a mania Bitcoin - durante o G20 de Buenos Aires em março de 2018, o Ministro da Economia e Finanças foi muito direto em termos de acalmar a necessidade da França se juntar à revolução da criptomoeda.

O primeiro movimento concreto foi a definição de um novo quadro fiscal simplificado para os ganhos financeiros obtidos pelos investidores não profissionais que negociam moedas criptografadas. A Direção Geral de Finanças Públicas (a autoridade fiscal francesa) emitiu regras sobre criptomoedas em 2014, classificando os ganhos pessoais da venda de ativos de criptomoedas e da mineração como sendo entre “ganhos não recorrentes de uma atividade não profissional”, uma categoria sujeita a um imposto de renda progressivo que varia entre 14 por cento e 45 por cento. A decisão de abril do Conseil d'État atualizou e esclareceu as regras fiscais, submetendo os ganhos da negociação a uma taxa fixa de tributação (19%), incluindo a venda de Bitcoin (estranhamente, a única criptomoeda que o documento faz referência) categoria de mais-valias de bens móveis - nenhuma mudança para a mineração e para o resultado das atividades profissionais, sendo estas tributadas como lucros industriais e comerciais.

Portanto, a apresentação do esquema PACTE às ICOs, em 19 de junho, coroou meses de debate e o crescente comprometimento da administração francesa com relação ao tema.

Para a revolução, com esprit de finesse 

Então, a França está pronta para liderar a Europa em direção ao novo paradigma da economia blockchain, competindo efetivamente contra o Crypto Valley (Suíça), a Crypto Island (Malta) e o Crypto Harbour (Gibraltar)? De fato, as propostas de Le Marie estão longe de se tornar lei, pois o processo legislativo francês exige que ambas as Casas (a Assembléia Nacional e o Senado) revisem e aprovem uma versão idêntica dos textos apresentados pelo governo.

Além disso, os regulamentos propostos pela ICO estabelecem algumas premissas essenciais, deixando outros pontos um pouco confusos: os critérios subjacentes aos vistos da AMF precisam ser definidos no futuro, juntamente com os perfis e as competências dos oficiais encarregados de controlá-los. Além disso, todos os processos incorporados no plano PACTE baseiam-se em um acordo voluntário, e nenhuma sanção - exceto a perda do visto - está prevista para as ICOs que não cumpram com as informações fornecidas em seu white paper "certificado". Finalmente, a França precisaria lidar com os vigilantes monetários e financeiros da UE que, até agora, não mostraram uma orientação particularmente favorável em relação ao ecossistema blockchain e, especialmente, em relação às ICOs.

No entanto, a nova atitude francesa apresenta muitos elementos notáveis. Em primeiro lugar, o tema visa atualizar o quadro regulamentar de um dos maiores países europeus - um que é fornecido com grande população, um mercado rico, uma forte tradição administrativa, um número de instituições de pesquisa e educação que são famosas em todo o mundo e uma animada comunidade empresarial. Mesmo que a França possa ser considerada atualmente “subdesenvolvida em criptos”, se comparada a muitos grandes e até pequenos refúgios, o país provavelmente terá forças para preencher a lacuna e demonstrar o potencial da adoção em massa de soluções baseadas em blockchain, inovação e em um ambiente social e econômico complexo.

Além disso, é interessante notar que os tomadores de decisão franceses estão abordando o desafio da revolução da criptomoedas de uma maneira bastante original: a França, por exemplo, abordou algumas das mudanças tecnológicas de paradigmas das últimas décadas - energia nuclear, petroquímica, informação e tecnologia de comunicações (TIC) - elementos estressantes como centralização e fortes esquemas regulatórios. O debate apoiado pela AMF entre uma ampla gama de operadores, a regulamentação não restritiva e a ação voluntária são algumas novidades promissoras.

Talvez, o início tardio em si terá algumas influências positivas, estimulando uma abordagem que é de alguma forma capaz de lidar com a própria natureza do blockchain (ou seja, descentralização e transparência).

No final da década de 1980, a França estava na vanguarda da inovação em TIC como o primeiro país a experimentar a adoção em massa da tecnologia de rede digital graças ao Minitel, uma esquisitice da internet apenas de texto (olhando da perspectiva atual), promovida pela France Telecom. A rede francesa operou de 1982 a 2012 e os franceses puderam desfrutar de acesso on-line a listas telefônicas, contas bancárias, reservas de voos, bibliotecas - e, é claro, algum conteúdo adulto - antes do americano, britânico ou alemão médio. Então, a Minitel - fortemente dependente do apoio do governo e baseada em tecnologia proprietária - se viu incapaz de lidar com a concorrência da Internet "globalmente aberta" e iniciou sua retirada em meados dos anos 90.

Talvez iniciar a corrida pela revolução cripto longe de uma posição de liderança permitirá à França alcançar um melhor ponto de observação, ajudando os tomadores de decisão a evitar as tentações de grandeza tecnológica e estimulando-os a adequar os regulamentos às características das necessidades da blockchain.