Após censura, criadores de conteúdos controversos migram para as criptomoedas

Inúmeros sites de crowdfunding online e provedores de carteiras para criptomoedas estão envolvidos em controvérsias, após uma série de cancelamentos de contas associadas a visões de extrema direita. Embora o movimento “deplataform”, identificado com a promoção de discurso de ódio tenha recebido apoio popular, reconhecidos comentaristas políticos e personalidades da mídia consideram isso um ataque inaceitável à liberdade de expressão.

Como resultado, alguns dos principais criadores de conteúdo online na plataforma de crowdfunding Patreon decidiram migrar para o financiamento em Bitcoin, levando consigo dezenas de milhares de dólares em receita mensal. À medida que o furor em torno das plataformas de pagamentos e cancelamento de contas continuam, o Cointelegraph resolveu olhar mais de perto mais o papel que as criptomoedas desempenham no que está sendo retratado como o mais recente campo de batalha da liberdade de expressão.

Rubin sai do Patreon

Em 16 de janeiro, o comentarista político americano Dave Rubin tornou-se a mais recente figura pública a excluir sua conta da plataforma online de crowdfunding Patreon. Rubin apareceu ao vivo em seu canal no YouTube, reiterando seu apoio ao controverso e polêmico Carl Benjamin, também conhecido como Sargon de Akkad, afirmando que o cancelamento de sua conta foi um dos fatores mais importantes em sua decisão de deixar o Patreon e partir para o financiamento via Bitcoin.

“O fato de que tudo isso relacionado à liberdade de expressão está acontecendo no Patreon começou com o Carl Benjamin, Sargon de Akkad, que esteve neste mesmo estúdio. Parece tão apropriado que finalmente faremos isso.

“Quando comecei a falar sobre isso, todo mundo disse que eu precisava falar com Carl Benjamin, o Sargon de Akkad. Agora parece tudo se encaixar, o primeiro cara com quem eu falei online sobre isso é um envolvidos no motivo que me faz deixar [a plataforma]. Nós estamos assumindo o controle do nosso destino e de todas essas coisas boas.

Embora Rubin tenha ganhado fama como comediante, ele se tornou mais conhecido como um defensor de valores como a liberdade de expressão. Apesar de suas alegações sobre ganhar “entre 60% a 70%” de sua renda através do Patreon, Rubin disse que sua decisão de mudar para a Bitcoin constituiu “uma posição contra a invasão sempre incessante sobre a liberdade de expressão” que ele percebe ter lugar em todas as plataformas de financiamento tradicionais.

"Eu não acho que um empresário normal diria que eu posso me livrar de 70% da receita da minha empresa para então ver o que acontece. Eu só sinto que [o banimento do Benjamin] foi apenas o suficiente. ”

Rubin comentou ainda o que considera ser uma afronta orquestrada à liberdade e uma campanha de censura forçada realizada por empresas de tecnologia:

"Este parece ser o próximo passo óbvio em tudo o que está acontecendo aqui. Eu só acho que em algum momento, nós, as pessoas, temos que nos voltar contra essas empresas de tecnologia. Você não pode continuar infringindo a liberdade de expressão. Sim, eles podem fazer o que quiserem em empresas privadas e há uma questão sobre se essas plataformas estão se tornando o verdadeiro espaço público do futuro, e qual é a relação entre essa entidade e uma plataforma na qual todos podemos nos comunicar e o governo ”.

O vídeo de Rubin também continha o anúncio de que ele planeja lançar sua própria plataforma de financiamento com o colega, comentarista online e psicólogo clínico Dr. Jordan B. Peterson:

“Além disso, Jordan e eu também estamos trabalhando em uma nova plataforma. Há um limite para o que posso dizer no momento, por motivos legais. Eu não posso dar todos os segredos e as chaves do reino ainda. Estamos trabalhando em outra plataforma. Há enormes e enormes questões em relação a como queremos que esta plataforma funcione. Se ela deverá ser monetizada por meio da criptomoedas; se deveríamos fazer streaming de vídeo no torrent; como podemos estar totalmente protegidos para que não nos preocupar com processadores de pagamento, e assim, não precisaríamos nos preocupar com empresas de tecnologia que nos derrubam? Por mais louco que seja, tudo o que estou fazendo aqui é exercitar a liberdade de expressão. Eu gosto de entrevistar pessoas, gosto de ter uma boa conversa e todas essas coisas. Jordan e eu estamos trabalhando nisso, há uma empresa formada. Estamos trabalhando nisso. Hoje é o primeiro passo. O primeiro passo para mim é sair do Patreon e vamos levar todo mundo.”

Peterson também estava entre o grupo de criadores de conteúdo que prometeu deixar o Patreon com base na liberdade de expressão. Apesar de supostamente ganhar US$ 80.000 por mês através da plataforma, Peterson excluiu recentemente sua conta no Patreon.

Rubin anunciou sua intenção de migrar para o Bitcoin no início de janeiro. Os membros da comunidade de criptomoedas responderam entusiasmados ao anúncio e foram rápidos em responder com conselhos práticos para a transição. No momento da publicação, a carteira Bitcoin de Rubin recebeu um total de 0,8119261 BTC.

Sem presentes para o Gab

Polêmica, a rede social Gab é um dos sites mais proeminentes a serem desligados em nome do monitoramento do discurso de ódio. Em janeiro, pelo Twitter, o Gab informou que sua conta corporativa com a exchange de criptomoedas e provedora de carteiras norte-americana Coinbase havia sido encerrada. No início de janeiro, as contas pessoal e jurídica do cofundador do Gab, Andrew Torba, também foram encerradas.

Em seu site, o Gab se descreve como uma “rede social que defende a liberdade de expressão, a liberdade individual e o livre fluxo de informações online. Todos são bem-vindos.” No entanto, a rede social ganhou rapidamente uma reputação mais sinistra, como uma câmara de eco para visões de extrema-direita. O Gab enfrentou um intenso escrutínio público depois que veio a público a notícia de que Robert Gregory Bowers, autor do tiroteio na sinagoga de Pittsburgh, teria revelado suas intenções de prejudicar pessoas através de posts na rede social antes do crime.

Em seguida, as principais plataformas de financiamento, como PayPal e Stripe, encerraram o relacionamento com a empresa. O Bitpay, um processador de pagamentos que usa criptomoedas, também decidiu que hospedar a organização representava um alto nível de risco e, consequentemente, não seria mais capaz de fornecer seus serviços.

A última tentativa da empresa para encontrar uma plataforma de financiamento também terminou em fracasso. Em 6 de janeiro, pelo Twitter, o Gab anunciou que sua conta com o Square’s Cash App havia sido bloqueada, junto com a conta pessoal de Andrew Torba. Após um atraso de cerca de 20 minutos, a empresa publicou outro tweet.

Fontes da imprensa enfatizaram o impacto na reputação do Gab diante de sua falta de sucesso em estabelecer um relacionamento de longo prazo com um processador de pagamentos.

Ao longo do mês de janeiro, a empresa usou o Twitter para garantir aos telespectadores que seus valores centrais estavam em linha com os seus próprios usuários, apresentando o Bitcoin como uma forma de trazer “liberdade dos bancos centrais, da censura financeira e de um sistema financeiro manipulado”.

Nas últimas semanas, a organização tem dito repetidamente que o apoio ao Bitcoin é um dos três pilares da empresa - “maximalismo” em relação à liberdade de expressão, Bitcoin e liberdade - em um esforço para se distanciar do proliferação de discurso de ódio que trouxe para o centro das atenções:

 

A busca da empresa por uma plataforma de financiamento continua e, em seu site, ela afirmou que é "a startup mais censurada, manchada e sem plataforma da história".

À medida em que as plataformas tradicionais fecham suas portas, alternativas em criptomoedas preenchem as lacunas do mercado 

Empresas e indivíduos foram rápidos em se distanciar da controversa rede social. Mas já em 5 de janeiro, após a sequência de encerramentos das contas, a rede Bisq apareceu para promover seus serviços:

“Se o Bitcoin permitir que você “seja o seu próprio banco”, o Bisq permite que você “seja seu próprio câmbio”. Você administra o Bisq na sua própria máquina e negocia com o Bitcoin P2P. Resistência e censura por design, não política. Gatekeepers não têm interesse em ser bitcoins. Vamos evitá-los!

Steve Jain, um colaborador do projeto Bisq focado em comunicações, falou com o Cointelegraph sobre a proibição do Gab e a mudança para o financiamento com criptomoedas:

“Eu não sigo o Gab muito de perto, não uso os serviços deles, mas eles são muito bons em marketing, então eu geralmente acabo vendo suas manchetes ou tweets de qualquer maneira. E me lembro de ter visto manchetes nos últimos meses sobre serem banidos dos principais processadores de pagamento. Então eu acho que eles ficaram sem escolha - o bitcoin não pode banir você. É um movimento natural para eles.”

Jain also mentioned that the concern about payment platform censorship is not contained to those associated with the far-right alone, explaining that crypto is principally democratic in its design:

Jain também mencionou que a preocupação com a censura das plataformas de pagamento não está associada à extrema direita, explicando que as criptomoedas são democráticas em seu design:

“O estrago já foi causado. Muitas pessoas (especialmente aquelas que tendem a se afastar da política) sabem há algum tempo que algo estranho estava acontecendo nas principais plataformas, mas esses relatos ainda eram pequenos. Esse fatos recentes são amostras concretas das suspeitas de muitas pessoas de que as grandes empresas não operam necessariamente com princípios consistentes. Não é que o bitcoin não vai banir você porque é muito bom e baseado em princípios - o bitcoin simplesmente não pode te banir. Essa finalidade imutável é parte do que o bitcoin traz, que nenhum outro serviço gerenciado por humanos pode trazer ”.

Quando questionado se a Bisq está tentando capitalizar os descontentes usuários do Patreon retweetando o aviso de término da conta do Gab, Jain foi rápido em enfatizar que o Bisq é “mais uma plataforma para as pessoas trocarem bitcoins por moedas nacionais, então não há muitas formas de eles ajudarem diretamente os descontentes usuários do Patreon.” No entanto, Jain não descartou a possibilidade de ex usuários do serviço Patreon, incluindo a Bisq, construir uma plataforma de pagamento mais democrática:

“Eu, no entanto, ouvi falar de algumas pessoas que procuram iniciar as alternat