CoinGecko e AMLT Network se unem para combater fraudes, scams e hacks praticados ou sofridos por Exchanges

O CoinGecko, um site agregador de informações no mercado de criptomoedas, uniu-se à rede de analistas de blockchain e anti-lavagem de dinheiro (AML)  da Coinfirm. Essa parceria permitirá que o CoinGecko melhore seu algoritmo de pontuação de confiança de exchanges, além de fornecer aos usuários um meio de denunciar fraudes e invasões.

As empresas compartilharam um comunicado à imprensa com o Cointelegraph em 16 de agosto. De acordo com a documentação da Coinfirm, a empresa administra a rede AMLT que permite aos membros relatarem endereços de criptomoedas vinculados a hacks, ransomware, golpes e fraudes. O Coinfirm bloqueia esses usuários e fundos na rede AMLT. Em troca do fornecimento de boas informações, a Coinfirm recompensa seus membros com o token AMLT, que pode ser usado para comprar bens e serviços da Coinfirm, como relatórios de risco.

De acordo com o comunicado, o CoinGecko planeja melhorar seus cálculos de confiabilidade das exchanges, que é um mecanismo para classificar as empresas que negociam moedas digitais por sua liquidez real, por meio da parceria. O CoinGecko aparentemente pretende fazer uso da Rede de Tokens AMLT juntamente com a Plataforma Analítica e AML da Coinfirm para reforçar seu sistema de classificação.

O CoinGecko também pretende fornecer alguns serviços e benefícios para o consumidor. De acordo com o anúncio, os usuários poderão ter acesso a insights sobre os dados AML fornecidos pelo site da CoinGecko. Além disso, os usuários poderão ver as estimativas das provas-de-reserva das exchanges através do Coinfirm.

Os usuários do CoinGecko também terão a opção de relatar os próprios endereços de criptomoedas, em um sistema como o fornecido anteriormente para membros da rede AMLT. Usuários individuais poderão enviar informações sobre golpes e hacks vinculados a endereços criptográficos, por meio de um widget, e serão igualmente recompensados em tokens AMLT.

O co-fundador do CoinGecko Bobby Ong comentou:

“Acreditamos que a transparência é fundamental neste setor e esperamos que, ao usar os dados da AMLT Network e da Coinfirm, nossos usuários tenham mais capacidade de fazer julgamentos sobre exchanges, além de ajudar a fornecer dados para trazer ainda mais transparência e segurança. Com essa iniciativa, esperamos que as empresas continuem melhorando suas práticas para garantir uma experiência de negociação segura para todos os usuários ”.

CEO da Binance elogia mecanismo para reportar volumes fakes

Como anteriormente reportado pelo Cointelegraph, O CEO da Binance Changpeng Zhao, conhecido na comunidade cripto como CZ, recentemente comentou sobre os relatórios de volumes de negociações falsas em exchanges. Zhao ficou satisfeito com os relatórios, pois acredita que eles acabarão por tornar a indústria mais transparente. De acordo com Zhao, “quanto mais relatórios como este, melhor. Quanto mais transparência, quanto mais dados houver, melhor.