Coinbase vincula contas de usuários em sua plataforma principal a seu aplicativo Wallet

O serviço de exchange e carteira de criptomoedas Coinbase introduziu um serviço para vincular as contas dos usuários em sua plataforma principal ao aplicativo Coinbase Wallet, de acordo com um anúncio de 12 de março.

Segundo a empresa, a Coinbase Wallet é um pouco diferente do aplicativo principal, conhecido como Coinbase.com. Com este último, as criptomoedas e chaves privadas de um cliente são armazenadas pela Coinbase. Com a Coinbase Wallet, os usuários armazenam suas próprias criptos protegidas por suas chaves privadas exclusivas.

A exchange explicou que a carteira agora pode ser conectada a contas em sua plataforma principal para transferências rápidas da conta principal para a carteira. De acordo com o anúncio, a Coinbase Wallet será atualizada dentro de alguns dias e os usuários receberão uma notificação no aplicativo para ativar o novo recurso.

No futuro, a empresa promete permitir que os clientes enviem a cripto de volta a sua conta principal da carteira.

Em fevereiro, a Coinbase Wallet adicionou suporte ao Bitcoin (BTC) e ao Bitcoin Cash (BCH).

Ultimamente, a Coinbase está no meio de um escândalo após a aquisição da Neutrino, uma startup de inteligência blockchain, por US$ 13,5 milhões. Anteriormente, a Neutrino supostamente era afiliada à Hacking Team, que surpostamente vendia recursos de vigilância a governos e agências de aplicação da lei.

Enquanto a comunidade de cripto subiu a hashtag #DeleteCoinbase, pedindo aos usuários que cortassem os laços com a exchange sobre a aquisição, a empresa se movimentou para demitir funcionários da Neutrino com conexões prévias com a Hacking Team.

Em outras notícias sobre carteiras de cripto, a carteira oficial da principal exchange cripto Binance, a Trust Wallet, recentemente adicionou suporte para compras com cartão de crédito e XRP de ativos cripto. Na última terça-feira, outra carteira cripto, a Abra, lançou suporte nativo ao Ethereum (ETH), que anteriormente oferecia apenas a exposição à cripto como um “ativo sintético”.