Reguladora chinesa de forex SAFE expande piloto internacional de blockchain

A reguladora chinesa Administração Estatal de Câmbio (SAFE) expandiu seu programa piloto de financiamento de blockchain entre fronteiras. A agência de notícias GlobalTimes informou em 11 de novembro que o sistema agora cobre 19 províncias e cidades, expandindo das nove localidades iniciais.

A iniciativa não é surpreendente, já que no final de outubro o vice-chefe da SAFE, Lu Lei, disse existirem planos de usar blockchain e IA no financiamento entre fronteiras, com atenção especial dedicada aos aplicativos de gerenciamento de riscos.

“Sem espaçø para a mediação humana”

Segundo a matéria, especialistas - não nomeados no texto - esperam que a implementação da blockchain torne os serviços financeiros transfronteiriços mais eficientes e seguros. O projeto, lançado em março, oferece serviços de financiamento para exportação e verificação de dados para empresas internacionais.

O analista de blockchain Cao Yin disse à agência de notícias:

“Os processos financeiros tradicionais, que exigem muito trabalho humano para realizar a verificação e autorização de informações, ainda deixam muito espaço para fraudes financeiras. [...] Como o sistema blockchain promete uma faixa descentralizada e criptografada de cada fluxo de capital, ele deixa potencialmente pouco ou nenhum espaço para mediação humana.”

Tempo de transação reduzido de 2 dias para 15 minutos

Yin também explicou que a plataforma reduz o tempo de processamento e permite a supervisão em tempo real, o que melhora significativamente as condições de financiamento para os exportadores chineses. O tempo de processamento das transações foi reduzido de dois dias para 15 minutos.

O sistema emprega a blockchain desenvolvida pelo ZhongChao Blockchain Technology Research Institute, com sede em Hangzhou. No final de outubro, todas as 20 agências bancárias comerciais participantes do programa receberam acesso ao sistema.

Como o Cointelegraph noticiou no final de outubro, o contador-chefe da SAFE, Sun Tianqi, pediu que os reguladores globais cooperassem no combate às transações internacionais ilegais.