CEOs da Mastercard e Wells Fargo afirmam que blockchain tem potencial de longo prazo

Os principais executivos da Mastercard e da Wells Fargo concordaram que a tecnologia blockchain tem um potencial de longo prazo ainda não concretizado, informou a CNBC nesta quinta-feira, 28 de março.

O CEO da Wells Fargo, Tim Sloan, e o CEO da Mastercard, Ajaypal Banga, concordaram que o potencial da tecnologia de registro distribuído (DLT) ainda dará resultados, mas que ainda não há casos claros de uso de negócios. Os executivos fizeram seus comentários para a CNBC no Fintech Ideas Festival nesta última quarta-feira, dia 27.

O CEO da Wells Fargo enfatizou que a tecnologia tem sido muito lenta, citando um piloto blockchain realizado entre o banco e o the Commonwealth Bank na Austrália em outubro de 2016. Sloan ressaltou que o projeto resultou em apenas uma transação, concluindo que a DLT terá mais impacto "em longo prazo". Ele disse:

"Se você voltar o relógio há alguns anos isso deveria ter mudado completamente a indústria - não é assim que isso funciona."

O CEO da Mastercard declarou que a tecnologia blockchain tem "possibilidades interessantes" e seria uma má ideia ignorar isso. Especificamente, Banga descreveu o potencial da tecnologia para melhorar a eficiência das cadeias de suprimentos e resolver questões relacionadas a produtos falsificados. No entanto, ele também observou que um modelo de negócios com blockchain não está comprovado até o momento, afirmando: "estamos apenas dizendo que ainda não conhecemos o modelo de negócios."

Tanto a Mastercard quanto a Wells Fargo têm explorado ativamente os benefícios da tecnologia blockchain. A Mastercard, por exemplo, ocupa o terceiro lugar no mundo em número de patentes blockchain registradas. A Wells Fargo, por sua vez, entrou na lista da Forbes das 50 maiores empresas públicas explorando a blockchain em julho de 2018.

Em outubro de 2018, o CEO da gigante global de pagamentos Visa, Al Kelly, afirmou que sua principal concorrente, a Mastercard, tem que “se esforçar mais” em termos de blockchain, já que são menores do que a Visa.

Recentemente, a Accenture, empresa global de serviços profissionais, anunciou uma colaboração com a Mastercard para introduzir uma cadeia de suprimentos circular baseada em blockchain.