Sem intermediários financeiros, livraria online é a primeira no Brasil a comercializar livros apenas com criptomoedas

Os leitores brasileiros agora podem comprar livros físicos com mais de 1.200 criptomoedas. Sem a necessidade de taxas e agentes financeiros, o comércio de livros na Criptolivros, empresa fundada neste mês, oferece produtos com até 20% de desconto em relação a tradicionais livrarias.

Em entrevista ao Cointelegraph, o fundador da Criptolivros, Andrews Guerreiro, explica que a iniciativa nasceu após o anúncio de que o Facebook estaria trabalhando em sua própria criptomoeda.

“Quando isso acontecer (lançamento do ‘Facebook Coin’) acredito que vai popularizar bastante e queria aproveitar a oportunidade.”

A livraria tem por enquanto 50 títulos em oferta e a compra é realizada pela plataforma de pagamentos CoinPayments, que aceita mais de 1200 criptomoedas e cobra 0,50% como comissão.

Um post do fundador da Criptolivros no Medium destaca que, em geral, as transações pela internet demandam o pagamento de taxas ou tarifas para intermediários.

“O Estante Virtual, por exemplo, fica com 12% do preço de cada livro vendido e seus intermediários de pagamento (PayPal e Wirecard) ficam com cerca de 8%. Fora a mensalidade de R$ 49,90”, destaca.

A publicação afirma ainda que a Amazon retém aproximadamente 10% do valor do livros vendidos e que todas essas tarifas são embutidas no preço final do produto.

Como informado pelo Cointelegraph, em 28 de fevereiro o New York Times publicou uma grande reportagem sobre a produção secreta de uma criptomoeda pelo Facebook.

O projeto compreende a integração de pagamentos com criptomoedas nas três plataformas sob propriedade da rede social: WhatsApp, Messenger e Instagram.

Além de impactar na adoção global das criptomoedas, já que os três serviços somam 2,7 bilhões de usuários em todo o mundo, a cripto poderia render ao Facebook US$ 19 bilhões em receita adicional até 2021, segundo análise de um especialista do Barclays.