Analista do Barclays prevê bilhões em receita adicional com "Facebook Coin" até 2021

A criptomoeda do Facebook, se lançada, poderia gerar US$ 19 bilhões em receita adicional à rede social até 2021, informou a CNBC nesta segunda-feira, 11 de março.

Ross Sandler, analista de Internet do Barclays, escreveu a um cliente que uma criptomoeda poderia estabelecer um novo fluxo de receita para o Facebook, ajudando o preço de suas ações que despencaram em meio a uma série de escândalos no ano passado.

Em sua previsão, Sandler destacou que a opção de receita baseada em criptomoedas é algo "extremamente necessário neste estágio da narrativa da empresa", ressaltando que qualquer fluxo de receita livre de publicidade será bem recebido pelos acionistas do Facebook. Sandler disse que sua estimativa de receita mais conservadora para a nova moeda é de US$ 3 bilhões.

O analista do Barclays lembrou o projeto de pagamento original do Facebook, semelhante ao que as criptomoedas são hoje. Desenvolvido pela empresa da Califórnia The Menlo Park em 2010, os "créditos do Facebook" representavam uma moeda virtual que permitia aos usuários comprar créditos usando moedas domésticas e depois usá-los para compras no aplicativo.

Sandler acrescentou que o Facebook arcará com os custos de câmbio entre moedas fiat e sua possível nova criptomoeda, o que poderia reduzir a rentabilidade do negócio.

Citando análises do Barclays, Sandler afirmou que a primeira versão do “Facebook Coin” pode ser uma moeda de propósito único para micropagamentos e transferências domésticas de dinheiro em uma rede peer-to-peer (p2p), algo “muito similar aos créditos originais de 2010.”

Sandler também avaliou o escopo do projeto, observando que é maior do que as ambições anteriores do Facebook. O analista apontou para David Marcus, líder da equipe blockchain e cripto do Facebook, além de ex-presidente da operadora de pagamentos PayPal. Sandler também observou que o Facebook recentemente contratou vários funcionários da startup blockchain Chainspace.

Após um relatório da Bloomberg sobre o desenvolvimento pelo Facebook de sua própria criptomoeda em dezembro de 2018, o New York Times (NYT) publicou outro artigo alegando que a gigante das redes sociais está "esperando ter sucesso onde o Bitcoin falhou" com seu projeto de criptomoeda altamente secreto. De acordo com o NYT, 50 novos funcionários estão trabalhando no desenvolvimento de uma stablecoin que incorporaria os três aplicativos de propriedade do Facebook - WhatsApp, Facebook Messenger e Instagram.