Bobby Lee, "BTC Maximalista": o valor do Bitcoin está no olho de quem vê

Esta entrevista foi editada e compactada.

Recentemente, no BlockShow Europe 2018, a Cointelegraph teve a chance de falar com Bobby Lee - co-fundador da corretora chinesa BTCC e um membro do conselho na Bitcoin Foundation - sobre o que ele tem feito no espaço cripto desde que o BTCC encerrou no outono passado.

Molly Jane: Nos últimos meses, as regulamentacõess chineses para moedas digitais têm aumentado continuamente, desde a proibição de ICO no outono do ano passado, a proibição em janeiro de serviços similares ao câmbio, ea proibição em fevereiro de bolsas estrangeiras. Com sua experiência trabalhando na China em mente, você acha que, no futuro, a China será mais aberta e acolhedora para a comunidade cripto?

Bobby Lee: É possível. Eu já disse isso antes e às vezes as pessoas entendiam errado. Eu acho que a China tem espaço para mudar suas políticas. Isso pode acontecer dentro de alguns meses, pode levar alguns anos, pode levar décadas. A China é um mistério quando se trata de regulamentação e políticas por causa do governo anterior ser esse tipo de governo. Não é muito transparente em termos do que eles querem fazer com as moedas digitais.

Nada é permanente na China.

Mesmo a política do filho único, acabou sendo derrubada depois de muitas décadas. Então,(a) proibição do Bitcoin, a proibição de corretoras, a falta de licenciamento, a falta de regulamentação (...) Acho que está aqui para ficar a curto prazo, mas é difícil dizer se isso será suspenso em breve.

MJ: Você vê algum país que está acertando em termos de regulamentação de criptomoeda?

BL: Nenhum dos grandes países. Ou nenhum dos países grandes, populares e famosos está fazendo certo, ainda. Eu acho que é um terreno muito difícil de navegar. Alguns dos países pequenos que são mais propensos ao risco, estão fazendo o certo. Eles estão fazendo isso por uma abordagem laissez-faire. Eles estão dando boas-vindas às empresas para estabelecer uma jurisdição em seu país e para estabelecer entidades e licenciar tudo. Alguns estão fazendo isso de forma mais agressiva do que outros. É assim que as coisas são. Porque diferentes países escolherão caminhos diferentes, adotarão uma forte abordagem de adoção ou se adotarão uma abordagem mais reservada de esperar para ver. Eu acho que a China é da abordagem de esperar para ver.

MJ: Você poderia me contar um pouco sobre o que aconteceu com o BTCC desde o aumento das regulamentações de criptomoeda na China?

BL: BTCC foi adquirida. Um grupo de investimento em Hong Kong adquiriu a empresa no ano passado e a fechou no início deste ano. Há uma nova gerencia no lugar. Eu permaneci como consultor da empresa, então estou apenas ajudando-os em alguns projetos estratégicos. Em termos de material real do dia-a-dia, não tenho visibilidade para compartilhar.

MJ: O que você está fazendo agora?

BL: Este é o meu ano sabático, tirando um tempo de folga, falando em conferências. Eu vou jogar poker na World Series deste ano em Las Vegas, e então eu quero começar a escrever um livro sobre o Bitcoin.

MJ: O que te inspirou a querer escrever um livro sobre Bitcoin (BTC)?

BL: Eu acho que este ano eu finalmente tenho mais tempo em minhas mãos. Eu sempre quis escrever um livro, ser um autor. E considerando todo o conhecimento sobre Bitcoin e criptos que acumulei nos últimos anos, tenho uma certa perspectiva de informação privilegiada sobre a criptomoeda. E tendo muita experiência em palestras, conversando com pessoas, respondendo suas perguntas, tenho uma perspectiva única sobre o tipo de perguntas que eles fazem. Eu quero juntar tudo isso em um livro. Basicamente, será para o público em geral, uma iniciativa, para explicar o impacto do Bitcoin, porque é significativo para a nossa sociedade e o que é o futuro.

Você pode assistir a entrevista aqui:

MJ: Qual é a pergunta que você mais recebe em conferências?

BL: Nas conferências de criptomoeda, as pessoas me perguntam qual é a minha previsão de preço, que ativos tenho e que moedas digitais eu tenho. Eles perguntam por que o Bitcoin é valioso quando os governos não o endossam. Essa é uma espécie de perspectiva negativa. Os não-crentes pensam que, para a cripto ter um futuro, os governos devem aprová-la ou apoiá-la.

MJ: Falando nisso, você disse em algumas entrevistas que uma das razões pelas quais o Bitcoin não é uma bolha é porque tem utilidade inerente. Você poderia falar mais sobre isso?

BL: Novamente, a utilidade é apenas (no) olho de um observador que a considera útil. Mas o Bitcoin é muito, muito útil como uma forma de pagamento para pessoas separadas pela distância ou pelo tempo. O que significa que, se as pessoas quiserem enviar grandes ou pequenas quantias de dinheiro quando estiverem geograficamente separadas - geralmente longas distâncias entre fusos horários, países e jurisdições - o Bitcoin é uma maneira muito eficiente de enviar valor, contanto que ambas as pessoas valorizem Bitcoin e entenda que seu preço de mercado varia.

O Bitcoin também é útil para ser enviado através do tempo. Se você pensar sobre isso, os investidores do Bitcoin - pessoas como eu e possivelmente você e outros, que investem no Bitcoin - o que estamos realmente fazendo é o que estamos dizendo,

"Deixe-me colocar $1000 nesta máquina Bitcoin, e vou enviar para o meu futuro 10 anos depois."

Ou cinco anos depois. Ou dois anos depois, certo? Não funciona a curto prazo porque essa coisa é volátil. Se eu enviar para mim uma semana depois, vou abrir e vender Bitcoin, pode ser que não chegue em $1000. Mas certamente 5 anos, 10 anos - agora estamos falando, onde pode valer muito. Esse é o investimento,tipo um aspecto do Bitcoin ao longo do tempo.

MJ: Você disse uma vez em uma entrevista que não tocaria em nenhum altcoins, mas acrescentou que poderia mudar de idéia no futuro. Você ainda se considera um purista do Bitcoin?

BL: Eu já disse isso muitas vezes, tanto nos últimos tempos quanto ao longo dos anos, eu sou um maximalista do Bitcoin, eu diria. Eu acho que é assim que eles chamam. Talvez um purista. As únicas quatro moedas que eu tenho e guardo são Bitcoin, Bitcoin Cash (BCH), Litecoin (LTC) e Ethereum (ETH). Essas são as únicas que eu possuo. Todo o resto eu considero uma altcoin e, claro, os próprios tokens. Eu não toco em tokens descentralizados emitidos por empresas e grupos.

MJ: Última pergunta. Muito recentemente, houve uma celebração do Dia da Pizza Bitcoin. Minha pergunta é: qual é a sua pizza favorita?

BL: Minha pizza favorita é pepperoni. Pepperoni e queijo.

MJ: E você já usou Bitcoin para comprar uma pizza?

BL: Ainda não. O que fizemos na BTCC foi (perguntar) quantos Bitcoins você gasta para comprar pizza para todo o escritório. E em um ponto foi mais de cinco Bitcoins, no ano passado foi tipo três ou dois Bitcoins. E este ano, certamente menos de um Bitcoin. Tem sido incrível ver isso. Vindo de, o que é, 10.000 Bitcoin, agora menos de um Bitcoin para alimentar todo o escritório.

MJ: Muito obrigada por falar com a gente!

BL: Obrigado você!