BlockShow Americas 2018 entra em operação com a discussão do painel "Wall Street vs Cripto"

A conferência BlockShow Americas 2018 começou na segunda-feira, 20 de agosto, em Las Vegas. O primeiro painel de discussão envolveu um debate acalorado entre os proponentes de duas visões opostas de como - e se - blockchain deveria ser regulado e adotado por instituições em todo o mundo.

O BlockShow é uma série de eventos de fintech e cripto, normalmente realizados em Cingapura e na Europa; o BlockShow anterior aconteceu em Berlim na primavera deste ano.

O painel de abertura, intitulado "Wall Street vs Crypto", reuniu vários especialistas do setor para discutir o futuro potencial das criptomoedas como o Bitcoin (BTC) e a importância do envolvimento regulatório na esfera cripto. Os membros do painel debateram o papel dos governos e instituições financeiras na preparação do caminho para um “tsunami de inovação” possibilitado pelo blockchain.

 

Moderado pelo editor-chefe da TechCrunch, Mike Butcher, o painel era composto por cinco especialistas das indústrias de finanças e cripto, incluindo o analista de TI e colaborador da Forbes, Jason Bloomberg, CEO da Celsius Network Alex Mashinsky, e CEO da Transaction Regulated no Titan DX Troque Rich Gupta.

Abordando a questão principal de quando as duas indústrias - cripto e Wall Street - vão "fundir-se", Gupta afirmou que a "fusão está acontecendo bem diante de nós" e que a tecnologia subjacente da criptomoeda está sendo adotada por vários empresas. Especificamente, Gupta mencionou o importante papel da implantação de blockchain nos processos de desenvolvimento e liquidação de back-end.

O CEO da Celsius alegou que as instituições financeiras tradicionais deveriam inicialmente adquirir experiência em primeira mão ao lidar com criptomoedas e aprender a “interagir com a tecnologia”. Sem isso, “não teremos nenhum progresso”, afirmou Mashinsky.

Mashinsky também mencionou sua experiência em reunir 250 executivos de conformidade dos principais bancos, durante os quais ele afirmou que nem uma única pessoa na sala disse que detinha qualquer criptomoeda.

Falando de um ponto de vista diferente, Jason Bloomberg argumentou que uma das razões mais importantes para Wall Street ficar longe da criptomoeda por enquanto é a “bomba-relógio” que é a natureza “sem permissão” da criptomoeda, tornando-se um “braço de crime organizado."

Mashinsky desafiou a afirmação de Bloomberg dizendo que “o dólar [dos EUA] é a moeda número um em atividade criminal”. Bloomberg respondeu classificando o argumento como a “falácia mais comum” acrescentando que é incorreto acreditar que o volume de crimes conduzidos com moedas fiduciárias torna a suscetibilidade da criptomoeda à atividade criminosa aceitável.

Bloomberg acrescentou que as indústrias de criptomoeda e blockchain precisam ser fortemente reguladas, e que as únicas criptomoedas que sobreviverão a longo prazo são aquelas de “natureza autorizada”, significando que elas não são descentralizadas e são controladas por uma única entidade.

Outra questão levantada durante o painel foi como os EUA regulam o investimento no espaço cripto. De acordo com Mashinsky, os requisitos financeiros para se tornar um investidor credenciado - uma renda anual de US $ 200.000 ou um patrimônio líquido de US $ 1 milhão - impedem os investidores de fechar um lucro investindo diretamente em ações, tornando a criptomoeda uma alternativa acessível para o público.

Rich Gupta, do Titan DX, argumentou que a indústria de criptomoedas precisa de regulamentações similares para proteger os potenciais investidores.

Fique ligado no Cointelegraph para obter mais notícias do BlockShow Americas 2018, uma conferência temática de criptomoedas e blockchain que reuniu mais de 1.500 palestrantes e participantes de todo o mundo.