Blockchain e eleições: a experiência japonesa, suíça e norte-americana

Eleições livres e justas são um dos pilares de democracias saudáveis. Dos Estados Unidos à Serra Leoa, os defensores da blockchain acreditam que a tecnologia pode trazer um novo nível de transparência, justiça e eficiência ao processo eleitoral. Apesar do entusiasmo da comunidade blockchain - e do apoio provisório dos órgãos políticos - as tentativas de implementar a tecnologia tiveram um sucesso misto e enfrentaram críticas apaixonadas.

Centro científico do Japão testa blockchain

No final de agosto, a cidade japonesa de Tsukuba testou o uso da tecnologia blockchain em seu sistema de votação. Tsukuba é uma cidade já intimamente associada à pesquisa científica, e o recente teste blockchain é o mais recente movimento da cidade para explorar novas formas de inovar.

Os eleitores puderam participar usando seu My Number Card - um número de identificação de 12 dígitos emitido para todos os cidadãos do Japão, que foi introduzido em 2015.

Um comunicado publicado no site oficial da cidade afirmou que os eleitores puderam votar para a implementação de diferentes programas sociais. Os participantes puderam escolher quais das 13 iniciativas consideravam mais dignas de apoio financeiro, variando do desenvolvimento de equipamentos para melhorar o diagnóstico do câncer até um programa de navegação sonora nas cidades e novos equipamentos para atividades ao ar livre.

Como citado pela Cointelegraph, o estudo foi conduzido para estabelecer se as propriedades democráticas e transparentes do blockchain se prestariam bem à minimização do jogo sujo no processo de votação.

Embora inicialmente cético quanto ao potencial da blockchain, o prefeito de Tsukuba, Tatsuo Ugarashi, disse:

"Eu pensei que [blockchain] envolveria procedimentos mais complicados, mas descobri que é mínimo e fácil".

Embora o teste mais recente do Japão com blockchain pareça ter ocorrido sem problemas, nem todos os esforços do governo para aproveitar o potencial da tecnologia tiveram a mesma recepção.

Serra Leoa: a eleição blockchain que não foi

Em 7 de março de 2018, foi relatado que a Serra Leoa se tornou o primeiro país a implementar a tecnologia blockchain no processo eleitoral.

A Agora Technologies, uma empresa suíça, publicou uma série de tuites afirmando que havia supervisionado a primeira eleição baseada em blockchain da Serra Leoa:

Está certo, @AgoraBlockchain participou em @TechCrunch hoje. Leia mais sobre nossas eleições #blockchain na Serra Leoa! 

A realidade acabou sendo um pouco diferente. Na verdade, a Agora tinha realmente observado o um teste de votação blockchain totalmente separado da eleição para ilustrar como futuras eleições poderiam ser realizadas usando a tecnologia.

A Comissão Nacional de eleições da Serra Leoa (NEC) entrou em ação e publicou sua própria declaração via Twitter, negando que houvesse qualquer uso de tecnologia blockchain durante a eleição:

O CEO da Agora, Leo Gammar, foi forçado a corrigir as afirmações aparentemente equivocadas da Agora. O fato de o grupo ter sido credenciado para testar seu próprio sistema blockchain ao lado da eleição indica que, apesar do frenesi da mídia, os órgãos governamentais estão abrindo as portas para novas formas de tornar o processo eleitoral mais eficiente - e blockchain é um deles. .

Apesar das relações aparentemente boas da NEC da Serra Leoa, a recepção do envolvimento da empresa nas eleições foi mista. Morris Marah, fundador do Sensi Tech Hub, com sede em Freetown, expressou suas preocupações à RFI:

“O que esses caras [Agora] estão dizendo é ótimo. Mas eles realmente não testaram porque basicamente pegaram um cartão com os resultados e os colocaram no sistema deles. Isso é o que todo mundo está fazendo, isso não é novo.

"Vale de Cripto" da Suíca está testando blockchain

Nos últimos anos, a cidade suíça de Zug tornou-se famosa menos por suas vistas de montanha e pitoresca arquitetura suíça, mas mais por sua associação com baixas taxas de imposto e criptomoeda. O recente influxo de grupos de cripto que estabeleceu bases no cantão central levou a que ele fosse apelidado de “Vale da Cripta”.

Preocupado em se estabelecer como uma capital blockchain, o município permite o pagamento em Bitcoin por serviços e recentemente completou um teste bem-sucedido de votação blockchain.

A votação em pequena escala envolveu apenas 72 dos 240 cidadãos com acesso ao sistema de votação online, que participaram da votação não vinculante entre 25 de junho e 1º de julho. O questionário de teste pediu aos cidadãos que votassem em questões municipais menores. bem como se eles achassem que um sistema eID baseado em blockchain deveria ser usado para votos de referendo no futuro. A agência de notícias suíça escreve que três pessoas indicaram que não era fácil votar digitalmente, 22 responderam que usariam blockchain para declarações fiscais ou pesquisas, 19 responderam que pagariam taxas de estacionamento com sua identificação digital e três disseram que o usariam para emprestar livros da biblioteca. O chefe de comunicações da Zug, Dieter Miller, chamou o primeiro-ministro de sucesso.

Virgínia Ocidental testa votação blockchain, mas as nuvens ameaçam seu pensamento de céu azul

A Virgínia Ocidental está pronta para permitir que cidadãos que servem nas forças armadas - junto com outros cidadãos que vivem no exterior - votem via smartphone com um aplicativo chamado Voatz em novembro de 2018. Esta será a primeira instância de votação em um smartphone em uma eleição federal.

Funcionários da Virgínia Ocidental publicaram um PDF delineando o processo:

"Tudo o que é necessário para votar é um dispositivo móvel Apple ou Android compatível e um ID de estado ou federal aprovado e validado."

A ideia para o aplicativo surgiu pela primeira vez em uma cúpula de hackers organizada pelo South by Southwest Technology Festival, no Texas.

O secretário de Estado da Virgínia Ocidental, Mac Warner, ficou impressionado com o sistema de autenticação biométrica do aplicativo e os elementos da segurança baseada em blockchain. Tanto a Warner quanto a startup de Boston que criou a Voatz afirmam que o sistema é seguro.

O estado realizou com sucesso um projeto piloto em maio.

A recente fanfarra sobre a tecnologia blockchain nos procedimentos de votação está sendo jogada contra um pano de fundo de escândalo na história eleitoral relativamente recente. O ano de 2000 teve relatos de um miscount e, em 2016, vários indivíduos foram acusados ​​de ter votado em mais de um estado.

Um relatório do Instituto Brookings afirmou que a Conferência Nacional de Legislaturas Estaduais apresentou uma série de considerações que precisam ser abordadas para uma implementação mais ampla do voto eletrônico - como segurança, coerção dos eleitores, autenticação e inconveniência para as autoridades locais. Embora positivo sobre o potencial da tecnologia blockchain para transformar o processo de votação, o relatório concluiu que o blockchain precisa ser exaustivamente testado para levar em conta o custo e a escala de implementação mais ampla.

Matt Blaze, pesquisador de cripto e segurança da Universidade da Pensilvânia, criticou o relatório, afirmando que o blockchain introduz pontos fracos no sistema. Blaze também disse que garantir o sistema de votação “é mais fácil, simples e seguro com outras abordagens”.

Marian K. Schneider, presidente da Verified Voting, também criticou o aplicativo Voatz, dizendo que ele é menos de um aplicativo baseado em blockchain e mais de um aplicativo móvel padrão com um blockchain anexado. A principal preocupação é que, embora o aplicativo criptografe os dados do eleitor, o sistema atual não pode garantir que a rede de telefone e serviço do eleitor esteja livre de vulnerabilidades. No que diz respeito à proteção de informações confidenciais enquanto viaja pela Internet a partir do aplicativo, Schneider disse:

"Acho que eles fizeram muitas reivindicações que realmente não justificam qualquer confiança crescente no que estão fazendo em relação a qualquer outro sistema de votação pela Internet".

Voatz afirma que a crítica feita contra ele é "propaganda falsa" e que "a maioria dos comentários no tópico são incorretos ou deturpações".

No entanto, as críticas às capacidades do aplicativo não são totalmente infundadas. Um teste em Utah resultou na incapacidade de a startup suportar uma alta concentração de downloads pouco antes da abertura das pesquisas. Voatz, no entanto, permaneceu otimista e descreveu o incidente como uma "valiosa experiência de aprendizado".Blockchain implementation in elections

Os críticos continuam negativos

Embora a maioria das críticas por votação on-line e móvel tenha sido direcionada a falhas específicas em programas, há vários críticos proeminentes que discordam totalmente da idéia.

Bruce Schneier, um criptógrafo, cientista da computação e autor de vários livros sobre cripto e segurança de computadores, publicou um blog em oposição ao uso de blockchain nas eleições.

“A única maneira de proteger de maneira confiável as eleições, tanto de malícia quanto de acidente, é usar algo que não é hackável ou não confiável em escala; a melhor maneira de fazer isso é fazer o backup do máximo possível do sistema com papel.”

Schneier acredita que os esforços anteriores para automatizar o sistema de votação trazem uma mensagem sobre os perigos potenciais de tal transformação. Em 2007, os estados da Califórnia e Ohio realizaram auditorias abrangentes de suas máquinas de votação eletrônica. O resultado estava longe de ser positivo. A revisão descobriu que as vulnerabilidades eram endêmicas em quase todos os componentes:

“Os pesquisadores foram capazes de alterar indetectavelmente registros de votos, apagar logs de auditoria e carregar malware nos sistemas. Alguns de seus ataques poderiam ser implementados por um único indivíduo sem acesso maior do que um trabalhador normal de pesquisa; outros poderiam ser feitos remotamente.”

Este não é o único caso em que as máquinas de votação eletrônicas foram comprometidas. Em 2017, a conferência de hackers Defcon reuniu 25 equipamentos e desafiou os participantes a comprometê-los. No final do fim de semana, os participantes carregavam softwares maliciosos em dispositivos, comprometiam anonimamente a contagem de votos e faziam com que os dispositivos falhassem. “Esses eram hackers entediados”, escreve Schneier, “sem experiência com máquinas de votação, brincando entre as partes em um fim de semana”.

Com relação à melhor solução, Schneier escreveu:

“Pesquisadores de segurança concordam que o padrão ouro é uma cédula de papel verificada pelo eleitor. A maneira mais fácil (e mais barata) de conseguir isso é através da votação por varredura óptica. Os eleitores marcam cédulas de papel à mão; eles são alimentados em uma máquina e contados automaticamente. A cédula de papel é salva e serve como um registro final e verdadeiro em uma recontagem em caso de problemas. Máquinas de tela sensível ao toque que imprimem uma cédula de papel para soltar em uma urna também podem funcionar para eleitores com deficiências, desde que a cédula possa ser facilmente lida e verificada pelo eleitor.”

A crítica mais contundente para o conceito vem do Joseph Lorenzo Hall do  Centro para a Democracia e Tecnologia, que chama a coisa toda de uma "ideia horrível":

"É a votação pela Internet nos dispositivos terrivelmente seguros das pessoas, em nossas redes horríveis, para servidores que são muito difíceis de proteger sem um registro em papel físico da votação."

No entanto, essa enxurrada de críticas não parece ter impedido os governos de tentar implementar a tecnologia no futuro próximo. Até agora, só podemos falar sobre os experimentos municipais, não nacionais, mas, como foram realizados nos EUA, no Japão e na Suíça, não seria um exagero reconhecer um certo interesse no DLT das principais democracias do mundo.