'Morte' do Bitcoin? Google e Citigroup revelam contas correntes em conjunto

Outra empresa da FAANG está de olho em serviços financeiros - desta vez é o Google, como relatou a Forbes em 16 de novembro, alegando polemicamente que isso poderia "matar o Bitcoin".

Em uma entrevista  ao Wall Street Journal na semana passada, o Google havia revelado planos - criados sob o codinome de projeto Cache - para lançar contas correntes de consumidor em parceria com o Citigroup.

Lições aprendidas"

Para os veteranos da criptomoeda, a história auspiciosa da escolha do parceiro bancário do Google não será deixada de lado: na véspera da crise financeira global de 2008, o CEO do Citigroup, Chuck Prince, ainda dizia aos jornalistas que “enquanto a música estiver tocando, você terá que levantar e dançar. Nós ainda estamos dançando."

O Citigroup, titã em extinção e em expansão, seria revelado como uma instituição com um dos balanços mais tóxicos do setor: “somente no verão de 2007, o Citigroup conseguiu US$ 92,7 bilhões em ABCP [papel comercial lastreado em ativos], o suficiente para limpar todo seu capital de nível 1”, observou o historiador Adam Tooze em seu resumo da história da crise.

O resgate do Citi - e a recuperação do setor bancário mais amplo, debilitado e sistemicamente perigoso - forçariam posteriormente o Federal Reserve a empreender ações colossais de liquidez como “último credor global de recurso” e a introduzir uma regulamentação que firmemente entrincheiraria a interdependência do setor financeiro e do governo .

Na época, como Tooze escreve, Sheila Bair, do FDIC, observou que algumas das ações subsequentes e mais intrusivas do Fed pareciam pouco mais do que "uma cortina de fumaça erguida para esconder um resgate do Citigroup" - cujo colapso não podia ser compensado no rescaldo do Lehman.

FAANG só de olho...

Como o WSJ observou em sua cobertura, empresas de tecnologia como o Google veem os serviços financeiros como um canal para aproximar-se dos usuários e adquirir dados altamente valiosos sobre suas transações e comportamento econômico.

Uma pesquisa da McKinsey&Co. junto a consumidores e citada pelo WSJ revelou que 58% dos entrevistados disseram que confiariam nos produtos financeiros do Google - em comparação com 35% no Facebook, 56% na Apple e 65% na Amazon.

O Google alegou que não usa seus dados existentes do Google Pay - um serviço que contava com 11 milhões de usuários dos EUA em 2018, segundo a Forbes - para fins de publicidade e que não compartilha esses dados com terceiros.

De acordo com a reportagem do WSJ, o projeto do Google com o Citigroup visará primeiro as marcas das instituições financeiras em vez das do Google - e deixará a conformidade e a burocracia financeira para os bancos.

Caesar Sengupta, executivo do Google, disse ao WSJ - em uma aparente tentativa de distinguir o projeto de iniciativas como o Libra do Facebook - que:

“Nossa abordagem será fazer uma parceria profunda com os bancos e o sistema financeiro. Pode ser o caminho um pouco mais longo, mas é mais sustentável. "

Legado de mortes

O polêmico argumento da Forbes de que a incursão do Google nas finanças digitais "matará o Bitcoin" foi desprezado por figuras do setor de criptomoedas, cientes dos problemas associados à intermediação institucional, privacidade de dados e segurança digital. Como o educador do Bitcoin Stephen Cole brincou:

"Uma conta corrente do Google ameaça o Bitcoin tanto quanto uma nova agência dos correios ameaça o e-mail."

A parceria com o Citigroup não é a primeira história do Google que provocar anúncios da morte supostamente iminente do Bitcoin nas últimas semanas: foi relatado que o Google alcançou recentemente a supremacia quântica, provocando especulações sobre como a prova do futuro e a resistência à criptografia da blockchain do Bitcoin se provarão.

No entanto, como o cofundador da Ethereum, Vitalik Buterin, comentou sobre a ameaça percebida:

“Minha impressão de uma frase de coisas recentes sobre supremacia quântica até agora é que a computação quântica real é o que as bombas de hidrogênio são para a fusão nuclear. Prova de que um fenômeno e a capacidade de extrair energia dele existem, mas ainda estão longe do uso direcionado para coisas úteis.”

O argumento de Buterin é compartilhado por Andreas Antonopoulos, que caracterizou o perigo quântico para o Bitcoin como "nadica de nada".