Relatório do BIS encontra forte ligação entre preços de cripto e ações de reguladores

Um novo relatório publicado pelo Banco de Compensações Internacionais (BIS) encontrou uma forte correlação entre preços de cripto e notícias sobre as intervenções de reguladores.

De acordo com o relatório publicado em 23 de setembro pelo BIS – uma organização com sede na Suíça, composta por 60 dos bancos centrais do mundo – as criptomoedas mantêm estreitas ligações com notícias de ações regulatórias em diferentes jurisdições nacionais. Isso ocorre apesar do design da cripto funcionar de maneira sem fronteiras e sem atrito.

A investigação empírica do BIS abrangeu todos os eventos de notícias desde o início de 2015 até o final de junho de 2018, fazendo um critério do fato de o evento ter sido relatado pela agência de notícias Reuters. O banco identificou 151 eventos regulatórios reportados no total, com a maior concentração da China, Índia, Japão, Reino Unido e EUA, e um aumento significativo de tais notícias ao longo dos anos.

O relatório constatou que os mercados responderam de forma mais marcada aos eventos de notícias sobre o status legal da cripto. Foram encontradas respostas adversas do mercado às notícias que dizem respeito à proibição, à possível aplicabilidade da lei do mercado de valores mobiliários aos ativos cripto ou a anúncios de que a cripto não será reconhecida como uma moeda.

Por outro lado, os sólidos ganhos do mercado foram selados em resposta ao desdobramento por parte dos governos de novas estruturas legais adaptadas ao espaço cripto.

O relatório também constatou que os anúncios sobre medidas de combate à lavagem de dinheiro/combate ao financiamento do terrorismo (LBC/CFT) – ou outras medidas que “limitem a interoperabilidade da cripto com o sistema financeiro regulado” – têm um forte impacto negativo nos mercados.

O BIS observou que alertas não específicos – ou gerais – contra os riscos de cripto, bem como anúncios relativos à emissão possível, mas indeterminada, de moedas digitais de banco central (CBDCs) tiveram um efeito insignificante na ação do preço de cripto.

O relatório destacou, em especial, que os mercados permanecem segmentados entre diferentes jurisdições nacionais, dada a descontinuidade das abordagens dos reguladores em diferentes países.

Em resumo, o BIS propôs que a regulamentação “não precisa ser uma má notícia para os mercados [cripto], com respostas de preço sinalizando uma clara preferência por um status legal definido, embora um leve regime regulatório”. O banco defende uma maior coordenação entre os reguladores. o mundo, mas sugere que sua ausência “não precisa ser um impedimento para uma intervenção eficaz”.

Como relatado anteriormente, o BIS dedicou um capítulo de seu relatório anual neste verão a uma visão geral da cripto como dinheiro, defendendo a superioridade dos arranjos institucionais centralizados estabelecidos sobre o novo espaço cripto. O BIS argumentou que a cripto permanece limitada por sua capacidade de escalar, a ausência de uma estabilidade de avaliação e sua incapacidade de garantir a “finalidade” dos pagamentos.