Atlas Quantum diz ter dado lucro de 55% aos seus clientes em 2019, mas não menciona saques atrasados

Na primeira comunicação oficial em 2020 a Atlas Quantum, plataforma que afirma realizar arbitragem de Bitcoin, declarou que proporcionou a seus clientes rentabilidade acumulada de 55% durante o ano de 2019 mas não fez qualquer menção aos saques atrasados e a difícil situação da empresa. A publicação foi feita na conta oficial da empresa no Facebook.

A publicação não foi bem recebida pelos clientes da Atlas que começaram a questionar a empresa sobre os saques atrasados e a situação financeira que tem feito a companhia comandada por Rodrigo Marques não honrar os compromissos assumidos.

"Não basta roubar, tem que tirar sarro da cara das vítimas", destacou um usuário do Telegram após receber o compartilhamento da publicação.

Desde agosto, quando a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) publicou um stop-order contra a Atlas Quantum, usuários da empresa estão sem conseguir acesso a seus rendimentos e tampouco a seus Bitcoins custodiados. Duas iniciativas chegaram a ser lançadas pela Atlas, chamadas "Saque em Reias" e "Recompra" porém ambas foram descontinuadas.

"Que maravilha.E o Rodrigo já garantiu que poderemos receber nossos bitcoins daqui a 7 anos.A Atlas é maravilhosa!😍😍😍", destacou o usuário Alberto Nogueira.

"E os prazos p/ resolver as transferências de BTC entre wallets? Vcs viram que a Poloniex facilitou a transferência em grandes quantias de BTC? Agora dá p/ resolver o problema das transferências ou vão continuar com desculpinha? Falta de respeito que vocês tem com os clientes heim? Hahaha comédia...", afirmou o usuário Flávio Viana.

Um pouco antes da publicação, usuários da AnubisTrade, plataforma comprada pela Atlas Quantum em 2019, afirmaram ter recebido novos e-mails convidado a migrar o saldo da Anubis para a Atlas, porém as novas mensagens, continham datas antigas, indicando, possivelmente que apenas foram 'reencaminhadas'.

No final de 2019, Marques assumiu oficialmente a crise na empresa e declarou que em 2020 lançaria o "Projeto Fênix" que poderia 'recuperar' a Atlas Quantum e resolver os problemas da empresa, contudo, afirmou que o prazo para pagar todos os clientes com saques atrasados pode ser de até 7 anos.

Como noticiou o Cointelegraph, enquanto o "Projeto Fênix", não 'decola', pela 3ª vez, desde que iniciou a crise nos saques, a Atlas Quantum, plataforma que afirma realizar arbitragem de Bitcoin e criptomoedas está sem um escritório de advocacia para representar a empresa nos processo judiciais abertos por clientes e também naqueles abertos, contra clientes, pela Atlas.

Confira mais notícias