Alta no Bitcoin pode não estar relacionada a ataque de Trump que matou general iraniano Qasem Soleimani

Na medida que o preço do Bitcoin registra queda de 0,45%, no momento da escrita, especialistas começam a questionar se a recente alta que atingiu a principal criptomoeda do mercado estaria mesmo correlacionada com os ataques de Trump no Iraque que levaram a morte do General iraniano, Qasem Soleimani, considerado o 'segundo' homem no poder iraniano abaixo apenas do aiatolá Ali Khamenei.

Segundo o jornalista W. E. Messamore o movimento ascendente do BTC, que saiu de US$ 6916 para US$ 7387 não está correlacionado ao recente conflito entre EUA e Irã e que tudo não passou de 'coincidência'.

"A razão mais provável da subida do Bitcoin é simples, o mercado. Ele ricocheteou em US $ 7.000. É isso aí. E aconteceu no início da tarde de quinta-feira, horário da costa leste dos EUA, antes que os mercados soubessem de qualquer ataque aéreo no Oriente Médio. O BTC apenas se comportou como previam analistas, batendo em um suporte e depois subindo. O preço do bitcoin não subiu porque alguns capitalistas temiam uma nova Guerra Mundial, ele foi somente vendido em excesso e os comerciantes compraram a queda", destacou.

No entanto, Jehan Chu, co-fundador da Kenetic Capital, que investe em startups de blockchain, disse à CNBC que o aumento de preço estaria ligado aos ataques americanos e que isso mostrava o potencial do Bitcoin como reserva de valor.

"O aumento de preços é devido a dois fatores principais, um é um consenso crescente entre a comunidade de investimentos de que o bitcoin é uma reserva legítima de valor para a era digital, e o lançamento de duas criptomoedas Libra do Facebook  forçou cada CEO a levar a sério as criptomoedas".

Embora o preço global do Bitcoin possa não ter vinculação com os ataques que levaram a morte do General iraniano, Qasem Soleimani, ao menos no Irã o impacto do feito bélico de Trump levou o BTC a novos patamares e o Bitcoin chegou a ser negociado por US$ 24 mil na plataforma P2P LocalBitcoins.

Contudo, após o evento o especialista em análise gráfica do Cointelegraph, Rakesh Upadhyay, destacou que os bears tentaram afundar o Bitcoin abaixo do suporte imediato de US$ 7.000 mas o preço rapidamente se recuperou, indicando que isso é um sinal positivo. 

"Se os bulls puderem empurrar o preço acima da SMA de 50 dias, é possível uma movimentação para US$ 7.856,76. No entanto, se o preço cair da SMA de 50 dias e se sustentar abaixo de US$ 7.000, é possível uma queda para US$ 6.435, isso retomará a tendência de baixa", disse.

Como noticiou o Cointelegraph, Antoni Trenchev, diretor da plataforma de finanças descentralizadas (DeFi) Nexo.io, disse que o Bitcoin é um ativo único, que não está correlacionado com o mercado em geral.

Trenchev disse que é perfeitamente possível que o preço do Bitcoin atinja US$ 50.000 em 2020 e que a única coisa que havia chegado perto do desempenho do Bitcoin era "o aumento do dólar dos EUA contra o marco de papel alemão na década de 1920".

Confira mais notícias