Ativos de suposto esquema de Ponzi Bitcoin são congelados após liminar concedida por juíza dos EUA

Um tribunal dos Estados Unidos concedeu aos reguladores estatais uma liminar contra um suposto esquema de Ponzi Bitcoin (BTC) que supostamente fraudou seus investidores em US$ 11 milhões.

Em um processo no Tribunal Distrital dos Estados Unidos de Nevada, datado de 6 de dezembro, a juíza Jennifer A. Dorsey decidiu a favor da Comissão de Negociação de Futuros de Commodities (Commodity Futures Trading Commission - CFTC) e contra a Circle Society, juntamente com seu operador, David Saffron.

CFTC ganha liminar contra a CIrcle Society

“... acho que esse é um caso adequado para conceder uma liminar e outras medidas equitativas para preservar o status quo, proteger os clientes de mais prejuízos e danos, além de permitir que a Comissão cumpra seus deveres legais”, escreveu Dorsey.

A Circle agora terá seus ativos congelados e a CFTC poderá inspecionar seus registros financeiros antes de qualquer ação legal adicional.

A CFTC originalmente acusou a Circle Society e Saffron no final de setembro, depois que os investidores se queixaram de que esta mantinha fraudulentamente uma oferta de opções binárias em Bitcoin de US$ 11 milhões.

À época, o regulador comparou as atividades da empresa a um esquema de Ponzi, afirmando em um comunicado à imprensa datado de outubro:

“De acordo com a denúncia, os réus solicitaram de forma fraudulenta fundos de pelo menos catorze membros do público para participar de um pool operado pela Circle Society, uma entidade que Saffron criou e usou para perpetrar seu golpe, fazendo falsas alegações da experiência comercial de Saffron e garantindo taxas de retorno de até 300%.”

EUA buscam vendas de criptografia

Os eventos ressaltam a linha cada vez mais persistente adotada pela CFTC e por outro regulador financeiro, a Securities and Exchange Commission (SEC) - equivalente americana da Comissão de Valores Mobiliários - em relação às atividades de criptomoeda que não estão em conformidade com a lei.

Como o Cointelegraph relatou anteriormente, as ações de fiscalização continuam impactando até mesmo as empresas legítimas, com os reguladores observando especificamente as práticas relacionadas à venda de tokens por meio de ofertas iniciais de moedas, as ICOs.

Isso inclui a empresa canadense de mensagens Kik, que quase fechou após uma longa batalha legal contra a SEC durante sua oferta em 2017.