O suposto fraudador do Bitcoin Alexander Vinnik apela pela extradição para a Rússia

Ex-operador da cripto exchange BTC-e, o russo Alexander Vinnik apelou ao Tribunal grego para a sua libertação ou extradição para a Rússia, informou a mídia local Kathimerin em 21 de março.

Vinnik - que é acusado de fraude e lavagem de até US$ 4 bilhões em Bitcoin (BTC) ao longo de seis anos - teria apresentado uma apelação ao tribunal de Piraeus por sua liberação ou extradição para a Rússia por razões humanitárias.

Antes disso, a Comissária da Rússia para os Direitos Humanos Tatyana Moskalkova perguntou tanto a alta comissária das nações unidas para os direitos humanos Michelle Bachelet e ministro da justiça grega, Michalis Kalogirou, para ajudar a extraditar Vinnik para a Rússia. A petição foi apresentada em conexão com a deterioração da saúde de Vinnik após uma greve de fome começou em novembro passado.

Na época, Moskalkova enfatizou que a esposa de Vinnik estava gravemente doente e à beira da morte. O Comissário disse então:

"Dada a extraordinária situação humanitária, eu pediria ajuda para extraditá-lo [Vinnik] para a Rússia, para que ele pudesse estar mais perto de sua família".

Moskalkova também enviou cartas ao Presidente do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, Peter Maurer, ao ministro grego da Saúde, Andreas Xanthos, e ao Provedor de Justiça grego, Andreas Pottakis, solicitando assistência médica a Vinnik após a greve de fome.

Além da Rússia, as autoridades francesas também solicitaram a extradição de Vinnik para a França em relação a mais uma série de alegações de fraude. A França acusou Vinnik de “fraudar mais de 100 pessoas em seis cidades francesas entre 2016 e 2018”.

No final de fevereiro, a suprema corte Russa incluiu o uso ilícito de criptomoedas na lista de infrações penais relacionadas a lavagem de dinheiro. As alterações foram supostamente desenvolvidas a fim de cumprir as recomendações do Grupo de Ação Financeira Internacional e lavagem de dinheiro.