A corretora Bitnuvem negociará Bitcoin combinando plataforma avançada e taxas baixas no Brasil

Em agosto de 2018, a nova plataforma brasileira de cripto Bitnuvem iniciou suas operações com Bitcoin. O projeto alega ter a corretora com diversas ferramentas para traders, acompanhado de taxas baixas, sendo ela uma das menores encontradas no mercado brasileiro.

Tarifas baixas e suporte por WhatsApp

A corretora bitnuvem é destinada tanto aos usuários não experientes quanto aos que conhecem o mercado. Em três etapas já é possível adquirir seu bitcoin: cadastro, realizar um depósito e comprar bitcoins.

A companhia diz que as taxas na plataforma são baixas comparado ao mercado, com a taxa de apenas 0,12% no caso de um usuário negociar bitcoin com pedidos de compra ou venda, sejam eles ativos ou passivos. A Bitnuvem compara suas tarifas com uma das maiores casa de câmbio do Brasil, que define 0,30% para a ordem passiva e 0,70% para a ordem ativa, sendo assim até 4,5 vezes mais cara.

A corretora cobra 0,85% para saque em dinheiro e não cobra taxa para depósitos em reais ou criptomoedas. Segundo o site da Bitnuvem, com R$ 50,00 já é possível fazer um depósito.

Os usuários podem usufruir do suporte personalizado no aplicativo Whatsapp para sanar dúvidas ou pedir ajuda. Graças a este canal de atendimento os investidores podem entrar em contato com o suporte Bitnuvem com facilidade.

A plataforma de negociação fornece várias ferramentas, incluindo Stop, Stop-limit. OCO (One Cancels Other — a capacidade de definir alvo e stop com o mesmo saldo) além das ordens de mercado e limitadas para compra e venda de Bitcoin.

De acordo com a página da Bitnuvem no Facebook, a empresa fornece aos usuários notificações por SMS sobre ações dentro de suas contas. "Você será informado sobre saques e depósitos em tempo real", afirma o site. A plataforma Bitnuvem permite que os usuários comprem e vendam Bitcoin, prometendo tráfego criptografado e transações seguras.

Inicialmente, a Bitnuvem está focada em usuários locais, já que o site está disponível apenas em português — embora a opção de tradução on-line em alguns navegadores possa resolver facilmente esse problema.

Um país de oportunidades

Hoje o mercado de cripto no Brasil parece promissor e ambicioso: de acordo com a Buybitcoinworldwide.com, existem cerca de 20 grandes e médias casas de câmbio de criptomoedas que fornecem negociação de cripto.

Mais pessoas estão abrindo contas de criptomoedas no Brasil do que contas tradicionais de corretagem, afirma um recente artigo da Forbes. Segundo esse artigo, os brasileiros movimentaram US $ 160 milhões em 2016 na compra e venda de Bitcoin e, em 2017, esse faturamento chegou a US $ 2,4 bilhões.

A regulação do Bitcoin no Brasil ainda está sendo considerada. Por agora, os fundos de investimento locais estão oficialmente proibidos de comprar Bitcoin, mas a propriedade indireta ainda é permitida, como relatado pela Cointelegraph em maio de 2018. Até agora, a criptomoeda está sujeita à autoridade fiscal brasileira, que considera moeda virtual uma propriedade e exige que os investidores relatem ganhos de capital para fins tributários.

No entanto, o blockchain está sendo usado no sistema financeiro do Brasil. Conforme reportado pela Cointelegraph em junho de 2018, o banco central do Brasil criou um livro-razão digital que permite o compartilhamento de dados entre os reguladores financeiros. Este livro-razão lhes permite trocar informações sobre processos de autorização geral de instituições financeiras, desde processos administrativos até a conduta dos funcionários.