Singapura supera os EUA e assume liderança mundial em transações com Bitcoin

Pela primeira vez desde 2013, os EUA não são mais o principal destinatário do Bitcoin (BTC), pois Singapura assumiu a liderança ao longo de 2019.

De acordo com o relatório de 5 de dezembro de 2019 do site de análise Crystal Blockchain, usuários de todo o mundo enviaram US$ 8,58 bilhões em BTC para Singapura em 2019. Usuários em Singapura receberam mais dólares via Bitcoin no ano passado do que em qualquer outro lugar do mundo.

Os EUA ocuparam o primeiro lugar de 2014 a 2018, mas caíram para o 2º lugar, recebendo US$ 7,46 bilhões em BTC, dados do Crystal Blockchain.

Seychelles lidera a saída

Singapura, no entanto, não enviou mais dinheiro via Bitcoin no ano passado. O país insular e o local de 'residência' da BitMEX, as Seychelles, enviaram a maior quantia em USD de Bitcoin em 2019, avaliada em US$ 10,07 bilhões e mantendo o segundo lugar na lista para o volume geral de transações, de acordo com dados da Crystal Blockchain.

Os EUA ficaram em terceiro lugar na lista geral do volume de transações Bitcoin - uma queda para o país, considerando que anteriormente ocupava o primeiro lugar por cinco anos consecutivos. Em 2013, o Reino Unido viu mais dinheiro entrando e saindo via Bitcoin.

Muitas exchanges funcionam fora dos EUA

Muitas exchanges importantes no espaço cripto encontraram casas em países fora dos EUA e da União Europeia, que hospedam regulamentos notoriamente rigorosos.

A gigante dos derivativos de criptomoeda, BitMEX, opera sua sede fora das Seychelles, o local com maior vazão de valor em Bitcoin em 2019. A Binance também está localizada em Malta.

Ainda assim, grandes exchanges mantiveram sua posição em solo americano, incluindo Coinbase, Kraken e Gemini, com a Binance também estabelecendo uma filial sensível à regulamentação no país.

No início deste mês, a exchange Bibox, com sede em Singapura, anunciou planos para retirar o XRP de sua plataforma, de acordo com o relatório do Cointelegraph.