Winklevoss Capital investe em empresa que usa gás natural para abastecer data centers de mineração de cripto

O escritório familiar dos gêmeos Winklevoss, a Winklevoss Capital, participou de uma rodada de financiamento de US$ 4,5 milhões para a Crusoe Energy Systems Inc., provedora de mitigação de flare, para avançar na construção de centros de dados que podem minerar criptomoedas. A notícia foi divulgada pela Bloomberg em 3 de maio.

A mitigação do flare - como define um comunicado à imprensa da Crusoe que acompanha rodada de financiamento de sementes - visa reduzir o impacto nocivo do queima de gás natural excedente, que em alguns casos é usado para lidar com as dificuldades de transportar o suprimento de gás em excesso.

Embora a queima seja restrita por restrições regulatórias e lobby de grupos ambientalistas, as soluções de mitigação de flare podem ajudar a resolver o problema do excesso de oferta convertendo o gás natural em energia elétrica no poço.

A nova rodada de financiamento da Crusoe Energy Systems - liderada pela Bain Capital Ventures e Founders Fund Pathfinder - terá como objetivo acelerar a construção dos data centers modulares móveis da empresa. Como descreve o comunicado de imprensa:

“As tecnologias de mitigação de flare [...] são capazes de lidar com as vazões de gás em grande escala exigidas pela atual indústria de xisto da América do Norte. A tecnologia da Crusoe aproveita energia desperdiçada para indústrias em crescimento que exigem computação intensiva em energia, como blockchain e inteligência artificial."

Os sistemas são escaláveis ​​para até milhões de pés cúbicos por dia e podem ser implantados em toda a América do Norte. Em um comunicado enviado por email à Bloomberg, Sterling Witzke da Winklevoss Capital declarou:

“A Crusoe Energy está em uma posição única para reduzir o custo da computação em nuvem e da mineração em criptomoedas. Sua tecnologia é benéfica para o meio ambiente, os produtores de energia e a economia digital”.

De acordo com a entrevista da Bloomberg com o cofundador da Crusoe, Chase Lochmiller, a empresa está trabalhando com grandes empresas de óleo e gás de capital aberto que não foram reveladas.

Como o Cointelegraph relatou anteriormente, o alto consumo de energia exigido pela mineração de certas criptomoedas gerou intenso debate dentro da comunidade de cripto e fora dela.

No final do verão de 2018, um especialista em energia limpa reagiu contra a percepção comum de que a intensidade de energia é o calcanhar de Aquiles do Bitcoin (BTC), argumentando que o debate precisa ser reorientado para focar nas fontes de energia elétrica e não nos níveis de consumo.