Conta de luz da mineração de Bitcoin: vale a pena?

Dizem que é preciso de dinheiro para ganhar dinheiro; Para obter lucro com a mineração de Bitcoin, você precisa comprar equipamentos de mineração e pagar sua conta de eletricidade primeiro. À medida que mais mineradores se juntam à rede Bitcoin, alguns indivíduos temem que a quantidade de eletricidade consumida pela mineração tenha um impacto negativo no meio ambiente. Outros acreditam que os benefícios da mineração Bitcoin superam o custo necessário para produzir a moeda digital.

Mineração de Bitcoin e consumo de energia

Novos Bitcoins são produzidos através de um processo chamado mineração, no qual os computadores gastam energia e recursos computacionais para resolver um problema matemático difícil que verifica um bloco recente de transações Bitcoin. O minerador que resolve o problema matemático adiciona o bloco ao blockchain e recebe o bitcoin recém-cunhado. A dificuldade do problema de matemática depende de quanto poder computacional a rede tem em suma. À medida que a rede Bitcoin atrai mais mineradores, a dificuldade de mineração aumenta e, geralmente, a quantidade de energia consumida por uma sonda também aumenta.

Atualmente a rede Bitcoin consome cerca de 2,55 gigawatts (GW) de eletricidade por ano; para colocar isso em perspectiva, todo o país da Irlanda tem um consumo médio de eletricidade de 3,1 GW e a Áustria tem um consumo médio de eletricidade de 8,2 GW por ano. No ano passado, a quantidade estimada de TwH que a rede Bitcoin consumiu por ano aumentou 413,37%. Quando comparada a países como a República Tcheca, a rede Bitcoin usa 102,3% de toda a eletricidade consumida pelo país por ano.

BTC

Alex De Vries, consultor de dados e especialista em blockchain, acredita que a quantidade de energia que a mineração de Bitcoin consome é problemática. Em um estudo de pesquisa rcente publicado na Joule, De Vries descobriu que a quantidade média de eletricidade consumida por transação de Bitcoin é de 300 kwH e à taxa que novos mineradores se juntam à rede – e a dificuldade de mineração aumenta – esse número tem o potencial de atingir 900 KwH até o final de 2018.

De Vries disse à Cointelegraph que, embora a sociedade não consiga enxergar as mudanças que estão sendo feitas no meio ambiente através da mineração Bitcoin, as operações de mineração não estão ajudando o mundo a se aproximar de seus objetivos climáticos e ambientais:

“Sabemos que a mineração é feita com eletricidade a carvão, mas também com energia renovável. No último caso, não sabemos o que estamos substituindo e a energia renovável também não tem pegada zero de carbono ao longo da vida. Há mais trabalho a ser feito aqui, mas certamente há um impacto. Quanto mais energia Bitcoin usar, mais impactará o meio ambiente com certeza - o que, por sua vez, afetará a todos. Não está nos ajudando a atingir nossas metas climáticas”.

Há uma área cinzenta quando se trata de descobrir como a mineração Bitcoin está impactando o meio ambiente. Embora parte da eletricidade usada seja proveniente do carvão, as operações de mineração geralmente não liberam emissões de carbono. Só porque os mineradores não veem o impacto físico que a mineração tem sobre o meio ambiente, a quantidade de recursos consumidos e o custo de oportunidade envolvido devem ser preocupantes por si só.

Hashrate e consumo de energia

A quantidade de energia consumida pela mineração parece estar aumentando. À medida que o equipamento de mineração se torna melhor na solução de blocos, a eletricidade consumida por cada plataforma de mineração aumenta. Para ficar à frente de seus concorrentes, os mineradores estão sempre procurando equipamentos de mineração com um maior hashrate. O hashrate é a velocidade na qual o minerador é capaz de fornecer respostas para o problema de matemática. Quanto maior a taxa de hash, mais rápido se pode adivinhar a resposta ao problema.

No início, o problema era fácil o suficiente para ser resolvido por uma CPU padrão, mas à medida que mais mineradores se juntavam à rede e o problema se tornava mais difícil, os mineradores descobriram que as GPUs era mais adequada para resolver o problema. Apenas alguns anos depois, FPGAs e ASICs – circuitos integrados específicos para esta aplicação – eram mais adequados do que GPUs para resolver um bloco.

Mining

Outros como o empresário e ex-engenheiro de segurança da informação do Google, Marc Bevand, acreditam que a quantidade de energia consumida pela mineração causará mais inovação na forma de energias renováveis. Bevand acredita que o consumo de energia acabará por reduzir os custos de energia renovável para a sociedade em geral:

“Como os mineradores são tão sensíveis aos preços da eletricidade, eles são muitas vezes um motorista que empurra as empresas de energia para desenvolver ainda mais as energias renováveis, que agora são a fonte de energia mais barata. Por exemplo, na China, muitos mineradores estão localizados na província de Sichuan devido a sua abundância hidrelétrica. Outro exemplo é um empreendedor australiano que está construindo uma fazenda de mineração movida a energia solar de 20 megawatts (MW). Se a utilização de energia dos mineradores de criptomoeda continuar a aumentar, isso ajudará a diminuir os custos das energias renováveis para a sociedade em geral (aumento da demanda → aumento de P&D → aumento de capacidade e maior eficiência → redução de custos através de economias de escala)”.

Os custos de eletricidade já colocaram os mineradores em busca de uma fonte de energia mais barata. As empresas têm procurado lugares como o Canadá e a província de Sichuan, onde a eletricidade é sensivelmente mais barata. Porque os mineradores têm incentivos para usar eletricidade barata, isso leva a mais P&D no espaço da energia. No longo prazo, isso deve tornar as formas de eletricidade mais baratas para toda a sociedade, à medida que as inovações são feitas em energia.

Cost

O preço da segurança da rede

Embora a quantidade de operações de mineração de energia consumida não passe despercebida, algumas pessoas acreditam que os benefícios da mineração – segurança de rede – superam as externalidades negativas, como o consumo de eletricidade.

A rede Bitcoin é protegida por um algoritmo de consenso chamado prova de trabalho (PoW). Mineradores recebem taxas de Bitcoin e de transação recém-criadas para resolver um bloco, garantindo a rede no processo. Se um minerador não for capaz de resolver a prova criptográfica, o histórico dos blocos de transações não seriam adicionados ao blockchain e própria a tecnologia blockchain como um todo seria anulada; nenhum registro do histórico de transações seria criado se os blocos não fossem resolvidos e adicionados à cadeia por mineradores. O custo que deve ser pago por essa segurança de rede é a grande q