Representante da SEC diz: "Acho que precisamos ser um pouco menos paternalistas"

A comissária da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC), Hester Peirce, falou recentemente sobre inovação em criptomoedas, chamando os reguladores excessivamente paternalistas.

Cúpula DACOM

Na Cúpula de Conformidade de Ativos Digitais e Integridade de Mercado (DACOM), realizada em Nova York, no dia 26 de setembro, a Comissária Peirce liderou uma sessão de perguntas e respostas que contou com uma extensa discussão sobre o futuro da regulamentação para criptoativos.

O anfitrião da cúpula foi o escritório de advocacia Hogan Lovells e Solidus Labs, fornecedor de ferramentas de vigilância de mercado.

'Crypto Mom'

A atitude benigna de Peirce em relação aos ativos digitais lhe rendeu o apelido 'Crypto Mom' (mãe das criptos, em tradução livre), pelo qual ela expressou algum carinho no início de sua aparição na cúpula de hoje:

"Foi uma honra ser adotado por um grupo de pessoas que estão realmente pensando de maneiras interessantes e interessantes e tentando pensar em maneiras de mudar o mundo".

A respeito das criptomoedas, ela previu hoje que: 

"À medida que a tecnologia muda, nós os veremos se tornando muito mais dinheiro da internet".

Em outros comentários, a comissária expressou algum grau de frustração com o ritmo do regulamento da SEC, dizendo: "Francamente, às vezes a SEC precisa de um empurrão do Congresso". Ela continuou:

“Se você quer um governo mais inovador, significa que, se algo der errado, você não poderá voltar ao governo e dizer 'Ei, você não me protegeu de mim mesmo!' [.. .] Acho que precisamos ser um pouco menos paternalistas. ”

Audição no início desta semana

Como o Cointelegraph publicou na época, vários comissários da SEC, incluindo Peirce, testemunharam perante o Comitê de Serviços Financeiros da Câmara na terça-feira, 26 de setembro. O comentário de Peirce na época expressou suspeita semelhante em relação ao excesso de regulamentação.

Como a comissária expressou na época, ela promoveu uma filosofia de "humildade regulatória", a necessidade de "estar sempre perguntando se o que estamos fazendo é certo".