SEC dos EUA fecha um acordo no valor de US$ 400K em caso de fraude envolvendo CEO da Longfin

A Comissão de Valores Mobiliários (SEC) dos Estados Unidos anunciou que fez um acordo com o CEO da suposta empresa de criptomoedas Longfin, em um comunicado de 3 de janeiro.

Venkata Meenavalli concordou em pagar US$ 400.000 para resolver o processo de fraude da SEC contra ele, sujeita à aprovação do tribunal.

A queixa da SEC alegou que Longfin e Meenavalli falsamente alegaram que a empresa estava sediada nos EUA para obter uma qualificação A+ para sua oferta. Mais de 400.000 ações da Longfin foram supostamente distribuídas aos conhecidos de Meenavalli para obter uma listagem da Nasdaq.

A denúncia também afirma que mais de 90% da receita reportada da Longfin em 2017 "foi derivada ficcionalmente de transações fraudulentas de commodities".

Como o Cointelegraph relatou em dezembro de 2017, as ações da Longfin subiram mais de 1.000% após a notícia de que a empresa estava comprando uma empresa de criptomoeda não avaliada, chamada Ziddu. Meenavalli protestou na época dizendo que esse valor de mercado não era justificado, enquanto suas afiliadas estavam supostamente transferindo suas ações para investidores inocentes.

Os investidores levantaram preocupações quando descobriram que Meenavalli também possuía 95% da controladora da Ziddu, e as ações caíram 30% quando a investigação da SEC foi anunciada pela primeira vez em abril de 2018.

O total de fundos recuperados chega a US$ 33 milhões

O acordo de Meenavalli consiste em seu salário integral enquanto atuava como CEO da Longfin (US$ 159.000), juros de pré-pagamento de US$ 9.000 e uma multa civil de US$ 232.000. Ele também desistirá de todas as suas ações da Longfin e será impedido de atuar permanentemente como diretor de uma empresa pública.

Como o Cointelegraph informou em setembro de 2019, um tribunal de Nova York ordenou que a Longfin pagasse quase US$ 6,8 milhões em multas relacionadas à suposta fraude. Em uma ação separada proposta pela SEC em relação à suposta distribuição e venda não registrada de ações da Longfin, um tribunal ordenou mais de US$ 26 milhões em multas em junho de 2019.