Comitê da Câmara dos EUA exige que Zuckerberg testemunhe sobre o Libra antes de janeiro

O Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Estados Unidos supostamente convidou a COO do Facebook, Sheryl Sandberg, a testemunhar em 29 de outubro sobre os planos da empresa para sua stablecoin Libra.

De acordo com uma reportagem da The Information em 3 de outubro, o convite vem com uma condição fundamental: que o CEO da empresa, Mark Zuckerberg, considere comparecer perante o comitê antes de janeiro de 2020.

Sandberg seguiria o testemunho de David Marcus

O Comitê, presidido pela deputada Maxine Waters, anunciou recentemente seus planos de priorizar o escrutínio da proposta do Facebook para o Libra e sua carteira digital correspondente Calibra, como parte da agenda do outono de 2019.

Segundo fontes do The Information, Sandberg será questionada sobre o Libra, bem como sobre as políticas de publicidade do Facebook. O colosso das redes sociais chegou a um acordo de US$ 5 milhões com grupos de direitos civis em março deste ano devido às alegações de que sua publicidade havia facilitado práticas discriminatórias no mercado imobiliário.

Caso o testemunho ocorra, Sandberg seria a segunda executiva do Facebook a depor perante o Comitê em relação ao Libra. Em meados de julho, o CEO da Calibra, David Marcus, testemunhou sobre assuntos que incluem lavagem de dinheiro e outras medidas de conformidade, bem como a questão da confiança do público e do governo nas medidas de vigilância e coleta de dados da empresa.

Uma resposta hostil dos legisladores

Como o Cointelegraph reportou, a deputada Maxine Waters provou ser um dos parlamentares mais céticos ao Libra nos EUA, expressando suas preocupações de que a gigante da tecnologia “tenha demonstrado um padrão de manter os dados do consumidor em uma escala semelhante ao da Equifax” e havia “permitido que atores estatais maliciosos russos comprassem e segmentassem anúncios” para - supostamente - influenciar as eleições presidenciais dos EUA em 2016.

Em meados de junho, ela solicitou que o Facebook parasse de trabalhar no Libra, citando o "passado conturbado" da empresa.

Nesta semana, vazamentos de duas sessões internas de perguntas e respostas de julho de 2019 entre Zuckerberg e funcionários do Facebook revelaram a estratégia inicial do CEO para o lançamento do Libra.

Durante as sessões, o CEO reconheceu que o projeto enfrentava “problemas reais. As finanças são um espaço muito regulamentado, [...] impedindo a lavagem de dinheiro, impedindo o financiamento de terroristas e pessoas com as quais os diferentes governos dizem que você não pode negociar.”