Deputada Waters abre audiência do Libra com acusações sobre erros passados do Facebook

Os parlamentares do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos reuniram-se hoje para discutir os possíveis efeitos do projeto de criptomoeda Libra, proposta pelo Facebook, no sistema financeiro.

Como um entrevistado da Cointelegraph disse em 17 de julho, a presidente do comitê, a deputada Maxine Waters, abriu a audiência com uma denúncia do comportamento passado do Facebook. Em sua declaração, Waters disse que havia um “padrão demonstrado de falhas na manutenção dos dados privados do consumidor, em uma escala semelhante à Equifax.”

Waters também disse que o Facebook "permitiu que atores estatais maliciosos russos pudessem investir em propaganda dedicada”, o que teria influenciado as eleições presidenciais dos EUA em 2016.

Waters também disse que o comitê vai discutir a lei "Mantenha as Grandes Empresas de Tecnologia fora das Finanças" (“Keep Big Tech Out of Finance Act”). Um rascunho do projeto de lei apareceu recentemente, com objetivo de impedir que grandes empresas de tecnologia como o Facebook criassem seus próprios ativos digitais. O texto diz: 

“Uma plataforma de grande porte não pode estabelecer, manter ou operar um ativo digital que se destina a ser amplamente usado como meio de câmbio, unidade de conta, reserva de valor ou qualquer outra função semelhante, conforme definido pelo Conselho de Governadores do Federal Reserve”.

A audiência de hoje acontece um dia depois do Facebook ir ao Senado ontem, quando os parlamentares pressionaram David Marcus, do Facebook, sobre o Libra. Entre as questões levantadas sobre segurança, conformidade e proteção ao consumidor, Marcus defendeu que o projeto Libra busca os registros e aprovação necessárias junto às autoridades competentes, incluindo a Rede de Combate a Crimes Financeiros dos EUA (United States Financial Crimes Enforcement Network).