Presos ucranianos que comprometeram segurança de usina nuclear para minerar criptomoedas

O Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU) prendeu operadores de mineração de criptomoedas usando energia da usina nuclear de Yuzhoukrainsk.

O site de notícias ucraniano em inglês UNIAN reportou os detalhes da prisão em 21 de agosto. De acordo com o relatório, os mineradores de criptomoedas comprometeram a segurança da instalação nuclear através da conexão de internet. Devido à conexão do equipamento com a Internet, os mineradores teriam vazado informações classificadas no sistema de proteção física da usina.

Os detetives da SBU obtiveram um mandado de busca e realizaram uma investigação em 10 de julho. Os detetives encontraram equipamentos de informática não autorizados e apreenderam um conversor de mídia, um cabo de fibra ótica e um cabo de rede parcial.

Engenharia nuclear usada para tentar minerar Bitcoin com supercomputador

Como anteriormente reportado pelo Cointelegraph, vários engenheiros do Centro Federal Nuclear da Rússia foram presos em fevereiro de 2018 por tentarem minerar o Bitcoin (BTC)  com um supercomputador da instalação.

O computador teria a capacidade de realizar 1.000 trilhões de cálculos por segundo e é intencionalmente mantido desconectado da Internet por segurança. Tatiana Zalesskaya, chefe do serviço de imprensa do centro, afirmou:

"Houve uma tentativa não sancionada de usar instalações de informática para fins particulares, incluindo a chamada [...] mineração, é uma atividade tecnicamente proibida e criminalmente punível".

Energia nuclear e blockchain

Em outubro do ano passado, a estatal russa de energia nuclear Rosatom anunciou que desenvolveria a tecnologia blockchain para o setor de energia, bem como para as tecnologias da Internet das Coisas (IoT) e inteligência artificial (AI). O chefe do departamento de TI da Rosatom, Evgeniy Abakumov, comentou à época:

"Estamos comprometidos em integrar as tecnologias 4.0 em uma escala mais ampla. IoT, AI, blockchain e outros são para aumentar a eficiência do processo de fabricação."

Rosatom, no momento da publicação, estava procurando novos talentos para desenvolver tecnologia de blockchain usando energia nuclear para soluções nessas três categorias.