Governo do Reino Unido veta lançamento da Royal Mint de ouro digital após a saída da CME

A Her Majesty’s Royal Mint, instituição responsável pela produção de moedas físicas para circulação na Grã-Bretanha, não conseguiu lançar sua criptomoeda apoiada pelo ouro depois que o governo vetou o projeto, informou a Reuters em 25 de outubro.

Conforme relatado, o Royal Mint revelou seu projeto para emitir até US $ 1 bilhão em fichas digitais de ouro, apelidadas de Royal Mint Gold (RMG), em 2016, que seriam negociadas em uma plataforma baseada em blockchain administrada pela bolsa dos EUA CME. A BitGo, empresa de tecnologia blockchain, foi designada para ser responsável pelo desenvolvimento da carteira de cripto multi-assinatura da RMG.

O projeto foi lançado como uma maneira fácil para os investidores comprarem e negociarem o ouro físico mantido nos cofres da instituição de 1.100 anos de idade, e um fluxo adicional de receita para a Casa da Moeda, como o uso de moedas físicas em circulação em massa, diminui.

O projeto do RMG tinha sido originalmente previsto para o lançamento no outono de 2017, e estava pronto para ser lançado no início de 2018, mas três fontes não identificadas disseram à Reuters que o Royal Mint foi deixado sem um parceiro comercial no último minuto. Um deles alegou que "a administração da CME mudou e eles se afastaram, não quiseram se envolver".

As fontes alegaram que a saída da CME reflete seu "resfriamento do entusiasmo em relação aos ativos digitais", apesar do fato de a plataforma estar entre as primeiras a lançar contratos de futuros de Bitcoin (BTC) no ano passado. A Reuters informa que a CME também investiu em startups de ativos digitais por meio de seu braço de capital de risco.

Uma das fontes da Reuters afirmou que "as prioridades mudaram" da digitalização após a aposentadoria do CEO Phupinder Gill no final de 2016, seguida pela do chefe de digitalização da CME, Sandra Ro, em julho passado. Em um comentário oficial à Reuters, a CME refutou as alegações, dizendo:

"Não é correto dizer que temos uma descentralização 'descabida' e permanecemos comprometidos em seguir nossa estratégia de digitalização."

Na esteira da saída da CME, diz-se que a Royal Mint tentou salvar o projeto por meio de uma parceria com uma casa de câmbio cripto sem nome, um plano supostamente reprimido pelo Ministério das Finanças do Reino Unido no início deste ano.

Fontes disseram à Reuters que o Ministério das Finanças bloqueou a ação devido a preocupações com possíveis danos à reputação de ambas as instituições, dado que a Royal Mint é de propriedade do governo britânico.

Conforme reportado, o governo do Reino Unido não regulam amplamente as criptos ou as casas de câmbio cripto, exceto para certos derivativos, como o Contract For Differences (CFDs) baseado em cripto.

A Royal Mint disse à Reuters que "infelizmente, devido às condições do mercado, isso não é possível neste momento, mas vamos revisitar isso se e quando as condições do mercado estiverem corretas".

No início deste ano, a maior refinaria de metais preciosos da Austrália, a Perth Mint, revelou seus próprios planos para criar uma criptomoeda apoiada pelo ouro.