Dois norte-americanos são presos por roubar contas de redes sociais e criptomoedas em clonagem de celular

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos prendeu e acusou dois homens de Massachusetts por supostamente assumir o controle de contas das redes sociais de vítimas e roubar criptomoedas.

Segundo um anúncio de 14 de novembro, os dois — Eric Meiggs e Declan Harrington — foram acusados de conspiração, e também respondem a oito acusações de fraude eletrônica, uma de fraude, de abuso computacional e roubo de identidade agravado.

Tentativa de roubar US$ 550.000 em criptomoedas

Os residentes de Massachusetts tinham como alvos executivos de empresas de criptomoedas que supostamente possuiriam quantidades significativas em criptomoedas e contas de redes sociais.

Meiggs e Harrington usaram a tática de SIM Swapping (clonagem de chips de celular) para assumir o controle das contas de redes sociais das vítimas, tentando acesso a informações confidenciais e, em alguns casos, roubar criptomoedas.

O SIM Swapping é a prática que engana um provedor de telecomunicações ao transferir o número de telefone da vítima para um cartão SIM (chip de celular) obtido pelo invasor. Os chips podem ser comprados em lojas como eBay e conectados a um telefone gravador. Depois que o número de telefone é transferido, o hacker pode redefinir senhas para serviços que envolvem valores e privacidade, como carteiras de criptomoeda e contas de email.

Samy Tarazi, sargento do escritório do xerife do condado de Santa Clara, comentou o fenômeno em outubro:

“Estamos falando de garotos com idade entre 19 e 22 anos, capazes de roubar milhões de dólares em criptomoedas [...] estamos lidando com alguém que compra um cartão SIM de 99 centavos no eBay, o conecta a um gravador barato de telefone, faz uma ligação e rouba milhões de dólares. Isso não é desprezível."

Segundo a denúncia, os homens dos EUA atacaram pelo menos 10 vítimas em todo o país e supostamente roubaram, ou tentaram roubar, mais de US$ 550.000 em criptomoedas.

Residente de NY indiciado por fraude cripto

No início de novembro, as investigações e promotores de segurança interna do Departamento de Imigração e Alfândega dos Estados Unidos do Distrito Sul de Nova York indiciaram um homem por supostamente participar de um esquema de criptomoeda chamado Igobit. Ele alegadamente gastou fundos de seus clientes em despesas pessoais, como jantares em restaurantes de Manhattan, passagens aéreas e compras online.