As bolsas tradicionais recuam de IPOs classificados como Reg A+ devido a preocupações com fraudes

As bolsas tradicionais estão adiando as Ofertas Públicas Iniciais ( IPOs ) da Reg A + após ofertas problemáticas como a da suposta empresa de criptomoedas Longfin Corp., informou o Wall Street Journal (WSJ) em 10 de junho.

No início de junho, a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA ( SEC ) apresentou acusações de fraude contra a Longfin. A SEC alegou que a Longfin fabricou 90% de sua receita e vendeu mais de 400.000 ações da Longfin que não dispunha dos fundos necessários para garantir seu lugar na Nasdaq.

A denúncia também teria declarado que a SEC concedeu a oferta da Longfin à Reg A + com base na suposição de que a empresa era gerenciada e dirigida principalmente nos EUA, quando as operações, ativos e administração da empresa eram de fato todos offshore.

Agora, a Nasdaq Inc. e a Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) estão se esquivando dos IPOs conduzidos por empresas que usam o Reg A +, uma cláusula que permite às empresas terem padrões contábeis e de divulgação menores do que ofertas convencionais.

Além disso, a Nasdaq apresentou uma proposta à SEC para uma mudança de regra que impediria as empresas de listar na bolsa sob Reg A +, a menos que elas estivessem no negócio por não menos de dois anos.

Falando ao WSJ, David Feldman, sócio do escritório de advocacia Duane Morris LLP, disse que um funcionário da NYSE disse a ele no começo do ano que a bolsa não estava interessada em novas listagens da Reg A + na época.

Um porta-voz da Nasdaq disse ao WSJ que “nós examinamos continuamente nossos padrões de listagem para todas as empresas. Identificamos a necessidade de aprimorar as regras nessa área e alinhar nosso compromisso com a proteção do investidor ".

De acordo com o WSJ, entre 2015 e 2018, as empresas arrecadaram cerca de US$ 1,5 bilhão em 157 ofertas sob a Reg A +, enquanto apenas uma pequena parte desses acordos foi realizada nas bolsas. Em abril deste ano, a Blockstack, uma rede de computação descentralizada, aplicou-se à SEC para lançar uma venda simbólica de US$ 50 milhões sob a estrutura Reg A +. Se aprovada, a oferta envolveria a venda de 295 milhões de tokens de Stacks.

Naquele mesmo mês, a SEC publicou a “Estrutura para Análise de 'Contrato de Investimento' de Ativos Digitais” que visa ajudar os participantes do mercado a determinar se um ativo digital é ou não considerado um contrato de investimento e, portanto, um título.