Suécia se posiciona para se tornar a sociedade sem dimheiro líder na Escandinávia através do Bitcoin

A Suécia está em rápido movimento para dar prosseguimento em seus planos de se tornar a primeira sociedade sem dinheiro do mundo.

Embora isso seja visto como um bom sinal para moedas digitais em uma nova fronteira progressiva, isso traz problemas, como preocupações de privacidade, quando todas as transações são pesquisadas. No entanto, o país ainda está enraizando o Bitcoin como resposta para fornecer anonimato semelhante ao sistema de caixa tradicional.

Lucros potenciais sem dinheiro

Conforme visto por muitas instituições financeiras da Suécia, as empresas não obtêm lucros com o uso de caixa, pois carecem de dados pessoais recolhíveis e ele tem que ser gerenciado fisicamente. Devido a este problema, as finanças estão potencialmente mudando para as transações sem dinheiro, com a Suécia liderando o caminho.

Os relatórios mostram que 900 das 1.600 agências bancárias da Suécia já não armazenam dinheiro e não aceitarão mais depósitos em dinheiro. Há uma diminuição gradual do número de caixas eletrônicos, e a circulação da coroa sueca caiu de 106 bilhões em 2009 para 60 bilhões em 2016.

Isso deixou os bancos centrais da Suécia, como o Riksbank, imaginando se o país deveria apresentar uma forma digital de dinheiro dinheiro apoiado pelo governo. O Bitcoin é uma das principais soluções.

Preocupações com a privacidade

De acordo com a Visa, os cartões são a principal forma de pagamento na Suécia, e o público os usa três vezes mais do que o europeu médio. Swish, um aplicativo móvel muito popular no país, usa números de telefone para permitir que qualquer pessoa com um smartphone transfira dinheiro de uma conta bancária para outra em tempo real.

Os desenvolvedores do Swish incluem Nordea, Handelsbanken, SEB, Danske Bank e Swedbank.

Adoção gradual da sociedade sem dinheiro

Louise Henriksson, assistente de ensino sueca, diz:

"Eu não uso mais dinheiro, para nada. Você simplesmente não precisa dele. Lojas não o querem; muitos bancos nem sequer o têm. Mesmo para uma barra de chocolate ou um papel, você usa um cartão ou telefone".

Bjorn Ulvaeus do Museu Abba, não carrega dinheiro e cita a segurança pessoal como a principal razão pela qual uma Suécia sem dinheiro é benéfica para seus cidadãos:

"Nós não queremos estar atrás dos tempos, levando dinheiro enquanto o dinheiro está desaparecendo... Havia um sentimento de insegurança... isso me fez pensar: 'o que aconteceria se essa fosse uma sociedade sem dinheiro e os ladrões não pudessem vender o que eles roubaram?'"

A desvantagem de não ter dinheiro é que marginaliza aqueles que talvez não tenham contas bancárias e um telefone celular.

O Bitcoin não exige que seus usuários e adotantes tenham uma conta bancária, tornando-se pelo menos uma melhoria nessa área, e também permite ao usuário gastar seu dinheiro, se não de forma totalmente anônima, de uma forma próxima ao mímico uso anônimo de dinheiro.

A Suécia, juntamente com outros países escandinavos, como a Noruega e a Dinamarca, disseram há muito tempo não ao dinheiro.

Conforme relatado anteriormente, a Câmara de Comércio da Dinamarca já propôs permitir que a maioria dos varejistas, com exceção de serviços essenciais como hospitais, correios e similares, assegurem que todas as transações financeiras sejam feitas eletronicamente e essencialmente banir o dinheiro. Na verdade, o governo dinamarquês "estabeleceu um prazo de 2030 para eliminar completamente o papel-moeda".

Por sua aparência, esses países escandinavos têm vontade de seguir com seus objetivos estabelecidos, uma vez que a Suécia também explorou outras formas de usar o Blockchain em seus serviços públicos, incluindo o registro de terras.


Siga-nos no Facebook