Startup visa construir ecossistema de telecomunicações de código aberto no Blockchain

Existem mais de 2 000 operadoras de rede móvel encarregadas de fornecer serviços de comunicação em escala global. No entanto, a infraestrutura tradicional é centralizada, inflexível e imprecisa. Os serviços comuns como as soluções de comunicações móveis 3G/4G, Wi-Fi, BOSS e as empresas que utilizam soluções de comunicações baseadas na nuvem geralmente não conseguem renderizar o conteúdo e a distribuição de conteúdo.

Os pacotes móveis convencionais sobrecarregam os clientes, para não mencionar que eles colocam preocupações em relação às transmissões de dados. Uma solução alternativa para os provedores médios de redes móveis poderia ser a tecnologia lockchain.

Ecossistema descentralizado de telecomunicações

Ao contrário de um sistema de telecomunicações controlado e centralizado, uma abordagem descentralizada poderia dar melhor privacidade do ponto de vista do usuário final. Ao mesmo tempo, poderia oferecer pacotes mais acessíveis e flexíveis adaptados especificamente às necessidades do cliente.

As empresas de telecomunicações padrão são conhecidas por sua incapacidade de lidar com brechas de rede e lacunas de segurança. Os usuários temem que sua privacidade possa ser violada em qualquer ponto por hackers experientes com fome de seu histórico de navegação pessoal, ou por informações delicadas, como número de seguro social e senhas privadas.

Tecnologia Blockchain para o resgate

Com a tecnologia Blockchain, a indústria de telecomunicações poderia evoluir para planos de dados personalizados que implementem contratos inteligentes, garantindo que as informações dos usuários finais sejam protegidas. Existem certos recursos à "prova de balas" do Blockchain para fazer backup de tais reivindicações, como algoritmos de consenso, criptografia assimétrica e um livro-razão distribuído. Ao usar uma identidade digital segura, os usuários de telco (telecomunicações) podem aproveitar recursos digitais para proteger seus dados privados.

Através de uma rede descentralizada de compartilhamento de Wi-Fi global, anunciantes e produtores de conteúdo podem tornar seu conteúdo acessível para os fãs sem fazê-los pagar por custos adicionais de transferência de dados. A Qlink, um projeto baseado em Cingapura, está em uma missão para construir a primeira rede móvel do mundo alimentada pela tecnologia Blockchain.

Cofundadora e COO da Qlink, Susan Zhou, enfatiza:

"A Qlink acredita que o desenvolvimento da indústria Blockchain como um todo experimentará um longo período de desenvolvimento exploratório e, em seguida, buscarão fusão e integração. Os serviços de correntes públicas com diferentes finalidades se comunicarão por meio de acordos e protocolos, como o TCP/IP na indústria da Internet de hoje. A cadeia de telecomunicações, como uma das correntes fundamentais que suporta todos os serviços de comunicação, será uma das correntes-pilar no ecossistema, o que significa que a Qlink tem o maior potencial para integrar as telecomunicações baseadas em Blockchain no futuro próximo".

Ponte entre Blockchain e telecomunicações

Ao construir uma rede móvel descentralizada, a Qlink pretende criar uma rede Wi-Fi P2P para recursos digitais, como pacotes SMS, pontos de Wi-Fi e dados. Os objetivos finais da empresa são permitir uma distribuição de conteúdo mais rápida, desenvolver novos canais de receita e estabelecer uma nova plataforma de compensação de dados entre as principais operadoras.

O ecossistema Qlink permite que os jogadores da indústria adotem uma abordagem orientada por usuários e alavanquem novos modelos de negócios para disromper e impactar o sistema tradicional de telecomunicações. Os ativos digitais estão registrados no Qlink NEO Blockchain, enquanto que informações de cobrança e conteúdo serão apresentadas na corrente Qlink. A arquitetura dual Blockchain simplificará a comunicação através do protocolo de corrente cruzada.

Para criar uma rede móvel verdadeiramente descentralizada, a Qlink também lançará seu próprio hardware montado em veículo, a Qlink BaseStation. O objetivo será permitir que o usuário final contribua para a cobertura descentralizada da rede 4G. A venda coletiva da empresa ocorre no NEO Blockchain.

 

Aviso Legal: a Cointelegraph não endossa nenhum conteúdo ou produto nesta página. Embora tenhamos o objetivo de fornecer todas as informações importantes que possamos obter, os leitores devem fazer suas próprias pesquisas antes de tomar quaisquer ações relacionadas à empresa e assumir a total responsabilidade por suas decisões, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.