Pesquisadores de Stanford desenvolveram mecanismo de privacidade para os Contratos Inteligentes do Ethereum

Pesquisadores da Universidade de Stanford e a Visa Research desenvolveram um mecanismo de privacidade para contratos inteligentes Ethereum (ETH). Um artigo descrevendo o mecanismo foi publicado no site do Grupo de Criptografia Aplicada da Universidade de Stanford em 20 de fevereiro.

De acordo com o jornal, os pesquisadores criaram "um mecanismo de pagamento confidencial e totalmente descentralizado" chamado "Zether", que é consistente com ambos Ethereum e outras plataformas de contrato inteligente. Os desenvolvedores desenvolveram um novo contrato inteligente - que pode ser executado individualmente ou por outros contratos inteligentes - que mantém os saldos das contas criptografadas e permite o depósito, a transferência e a retirada de fundos por meio de provas criptográficas.

Os autores afirmam no relatório que as transações no Zether são confidenciais, em que uma transação custa aproximadamente 0,014 ETH ou cerca de US$ 1,51 no momento. O sigilo aprimorado é permitido pela opção de bloquear fundos em uma conta para um contrato inteligente. O tipo de anonimato garantido pelo Zether é mais parecido com o Monero (XMR), diz o relatório, explicando:

“Descrevemos uma extensão para Zether que também pode ocultar o remetente e o destinatário envolvidos em uma transação entre um grupo de usuários escolhido pelo remetente. Embora a sobrecarga associada ao anonimato seja escalonada linearmente com o tamanho do grupo, nenhuma configuração confiável é necessária e nenhuma alteração na plataforma de contrato inteligente subjacente é necessária.”

“O contrato de Zether nunca transferirá fundos sem primeiro verificar uma prova de transferência apropriada, mesmo que a solicitação venha de outro contrato inteligente cujas regras não permitem transferências ilegais. Esta decisão de projeto garante que a segurança do Zether depende apenas de si e não de qualquer contrato inteligente externo. Mesmo um contrato inteligente mal-intencionado, escrito ou inseguro, não pode fazer com que o Zether se comporte mal”, especifica o relatório.

As moedas de privacidade, que fornecem mais anonimato aos usuários, são consideradas sentimentos mistos da comunidade e dos governos. No mês passado, o criador do Litecoin (LTC) Charlie Lee declarou que ele iria se concentrar em fazer a maior criptomoeda mais fungível e privada. Lee explicou que transações confidenciais poderiam ser adicionadas ao Litecoin por meio de um fork flexível e seriam implementadas “em algum momento de 2019”.

Em abril de 2018, os reguladores japoneses da Financial Services Authority (FSA) sugeriu impedir as exchanges de criptomoedas da negociação de altcoins orientados ao anonimato Dash (DASH) e Monero. "Deveria ser seriamente discutido se qualquer troca registrada de criptomoedas deveria poder usar tais moedas", disse um membro não identificado do grupo da FSA.