Coreia do Sul: Polícia dá batida em empresa que, em suposto golpe cripto, prometeu aos investidores ouro de navio afundado

A polícia sul-coreana invadiu o escritório de uma empresa local cujo suposto esquema de cripto prometeu aos investidores os despojos de um navio de guerra russo afundado, informou o Korea Herald em 7 de agosto.

A Agência de Polícia Metropolitana de Seul teria enviado 27 investigadores de sua unidade de colarinho branco para coletar evidências nas instalações da Shinil Group em Yeouido, oeste de Seul, e em outros sete locais na terça-feira.

Em meados de julho, Shinil divulgou filmagens submarinas do que alegou serem os destroços do Dmitrii Donskoi, um cruzador russo blindado que afundou em 1905 em meio a guerra russo-japonesa, alegando que havia sido encontrado sob as águas da ilha Ulleung, a leste da península coreana, descreve o The Korea Herald.

Enquanto isso, diz-se que a afiliada da Shinil em Cingapura seduziu os investidores a comprarem a criptomoeda da empresa, a Shinil Gold Coin, com base no valor dos rumores do naufrágio. A empresa supostamente explorou alegações circulando de que o navio havia caído com 200 toneladas de ouro no valor de 150 trilhões de won (cerca de US $ 134 bilhões).

Em uma conferência de imprensa subsequente, Shinil admitiu que os relatórios não foram verificados, ajustando o número para 10 trilhões de won (cerca de US $ 9 bilhões). Ao mesmo tempo, a empresa teria apresentado um documento interno ao ministério marítimo para aprovação de escavação, que estimou os despojos em apenas 1,2 bilhão de won (cerca de US $ 1 milhão), escreve o The Korea Herald.

A empresa supostamente prometeu aos investidores que o valor da moeda Shinil Gold subirá de seus atuais 200 para 10.000 won (cerca de US $ 0,18 para cerca de US $ 9) até o final de setembro.

De acordo com uma reportagem local de 1 de agosto, a Shinil Gold Coin levantou 60 bilhões de won (cerca de US $ 54 milhões) em investimentos de cerca de 100.000 investidores desde o seu lançamento. O CEO do Shinil, Choi Yong-seok, foi proibido de deixar o país enquanto a investigação continua.

Como a Cointelegraph relatou anteriormente, as autoridades também estão buscando o chefe da afiliada da empresa em Cingapura, Yu Ji-beom, que supostamente criou uma casa de câmbio cripto apelidada de Donskoi International e divulgou posts sobre o naufrágio nas redes sociais. Segundo seus conhecidos, Yu já havia sido condenado por fraude imobiliária e fugiu para o Vietnã para fugir da investigação.