Serra Leoa quer terminar sistema nacional de identificação em blockchain até o final de 2019

Governo de Serra Leoa planeja adotar um sistema de identidade nacional baseado em blockchain até o final de 2019

Envolvimento da Organização das Nações Unidas

O presidente de Serra Leoa, Julius Maada Bio, revelou a notícia, dizendo que o novo sistema de identificação baseado em blockchain permitirá que as instituições financeiras verifiquem identidades e criem históricos de crédito, como publicou a agência NFCW em 2 de setembro.

O novo projeto, chamado Plataforma Nacional de Identidade Digital (NDIP), é uma colaboração entre a Organização das Nações Unidas e a organização sem fins lucrativos Kiva, com sede em San Francisco, uma importante parceira tecnológica de Serra Leoa desde setembro de 2018.

Segundo o relatório, o NDIP será implantado em dois estágios principais: primeiro, as identidades serão digitalizadas, e na segunda fase as identidades digitalizadas formarão uma identificação única reconhecido nacionalmente chamada Número de Identificação Nacional.

Embora a primeira etapa tenha sido concluída com êxito, a segunda etapa só deve terminar até o final do ano, disse o presidente no relatório.

Força e segurança financeira

O presidente ainda afirmou que a adesão à blockchain por serviços financeiros e de crédito deve melhorar significativamente a vida dos cidadãos, tornando-os mais seguros financeiramente.

Ele disse que o novo sistema nacional de identificação "vai se vonverter diretamente em cidadãos que tenham acesso melhorado a crédito acessível para investir em empreendimentos e negócios".

O presidente Bio enfatizou os altos padrões de segurança da próxima plataforma, enfatizando que os dados de cada residente serão armazenados na Autoridade Nacional de Registro Civil e protegidos com estrita confidencialidade, de acordo com as diretrizes e práticas internacionais.

Ele também ainda citou como um dos principais benefícios da implementação da tecnologia blockchain a capacidade da plataforma de gravar novos registros para modificação de dados.

Como publicado pelo Cointelegraph, a tecnologia blockchain supostamente se tornará uma solução multissetorial na Serra Leoa, onde mais de 85% da população ainda não tem acesso à Internet, e pelo menos 75% das pessoas não têm banco.