Roraima e RS lideram buscas no Google por Bitcoin no Brasil em 2019; termos relacionados citam pirâmides de BTC

Os estados de Roraima e do Rio Grande do Sul foram os que mais tiveram incidência de buscas do Google por Bitcoin no Brasil em 2019. Os dados são do serviço de estatísticas Google Trends.

Em Roraima, a maioria dos usuários pesquisou pelos termos "investimento Bitcoin", "Bitcoin hoje" e "mercado Bitcoin", especialmente na capital Boa Vista. Depois de Roraima, vêm os estados do Rio Grande do Sul, Amazonas, Rondônia e Bahia completando os 5 maiores do ano.

Já no Rio Grande do Sul, as buscas foram mais esparsas. Dois Irmãos é o município com mais buscas no ano no estado, seguido por Carlos Barbosa, Farroupilha, Teurônia, Venâncio Aires, Santa Rosa, Caxias do Sul, Estância Velha, Campo Bom e finalmente Novo Hamburgo.

Como noticiou o Cointelegraph Brasil neste ano, o Rio Grande do Sul viu uma série de ações policiais e da Justiça contra fraudes de Bitcoin, incluindo contra empresas clandestinas de mineração e grandes pirâmides financeiras como a Unick Forex.

Nas consultas relacionadas, houve um aumento repentino por buscas relacionadas a empresas suspeitas de pirâmide financeira, como HPX Crypto, Binary Bit e Investimento Bitcoin. Fora deste tema, o serviço de pagamentos Urpay também se destacou e ficou em terceiro lugar.

A proliferação do uso de investimentos em Bitcoin para aplicar golpes na população é um destaque nas buscas que tiveram aumento repentino no ano. DD Corporation, YouXWaller, Dreams Digger e Wish Money também foram destaque nas buscas do Google relacionadas a Bitcoin.

As buscas no Google por Bitcoin tiveram sua máxima no mês de junho, especificamente na semana entre os dias 23 e 29, o que coincide com a máxima de preço da criptomoeda nas exchanges internacionais, US$ 12.372.

Naquela mesma semana, no dia 26 de junho, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) fez uma suposta denúncia contra o jornalista Glenn Greenwald, afirmando que ele havia recebido Bitcoins de um hacker russo para tentar derrubar o Ministro da Justiça do presidente Jair Bolsonaro, o ex-juiz Sérgio Moro. A denúncia nunca ficou comprovada e Greenwald revelou uma série de mensagens que poderiam comprometer o ministro.

No mesmo dia, a empresa que oferecia arbitragem de investimentos em Bitcoin Atlas Quantum veiculou uma série de publicidades em TVs abertas e a cabo, com propagangas na Rede Globo, SBT, Bandeirantes, Globonews, Bandnews, SporTV, Telecine, Fox, Warner e TNT, além de inserções em programas de rádio. Neste mesmo ano, a Atlas seria proibida de atuar pela CVM, limitando saques e abrindo uma grave crise que se estende até hoje.