Paraná usa blockchain e inteligência artificial para ser o estado mais tecnológico do Brasil

O estado do Paraná, no sul do Brasil, pretende ser o primeiro estado a iniciar uma grande transformação para modernizar os serviços públicos por meio do uso de novas tecnologais como blockchain e inteligência artificial, conforme reportagem do jornal O Paraná.

Segundo a reportagem, a idéia do estado é facilitar o acesso dos cidadãos ao serviços públicos bem como oferecer resposats mais rápidas para problemas antigos. Além das iniciativas em torno de DLT e IA, o estado também anunciou uma reforma administrativa, redução de custos diários e projetos de lei que incentivam o uso de carros elétricos.

“Estamos pensando o Paraná da próxima década e queremos nos tornar o Estado mais inovador do Brasil, capaz de aliar produção acadêmica, uso de tecnologia de ponta na indústria e no campo e serviços públicos mais ágeis”, segundo o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

No entanto, o  governador destaca que o processo de inovação do estado não envolve apenas adotar novas tecnologias, mas mudar uma cultura de gestão na qual os sevidores, acostumados com uma forma de fazer seu serviço, também aceitem estas novas tecnologias e colaborem com a modernização.

"Estamos provocando os servidores a se integrarem mais e melhor em diversas áreas para que o Paraná seja referência como estrutura pública no Brasil. Esse pacto envolve a atração de investimentos, fomento ao pleno emprego e desenvolvimento da nossa principal força-motriz, que é o agronegócio e a capacidade de produzir alimentos para o mundo”, 

No caso de blockchain, o uso da tecnologia faz parte de um acordo assinado com a BRI Brasil (Blockchain Research Institute) para o processo de expansão e implantação da tecnologia em todo o Estado. O objetivo é desburocratizar a gestão pública e torná-la mais transparente. 

“A BRI nos procurou para firmar uma parceria com o Estado. Com isso, o Paraná pode se tornar o maior hub de blockchain na América do Sul. A palavra de ordem é aproximar a iniciativa privada do governo. A ideia é que o Estado amplie o diálogo com o setor privado”, explicou Eduardo Bekin, presidente da Paraná Desenvolvimento em comunicado oficial da agência.